“Hoje é muito evidente que quem comprar um carro diesel muito provavelmente daqui a quatro ou cinco anos não vai ter grande valor na sua troca”. O alerta é de João Pedro Matos Fernandes, o ministro do Ambiente, em entrevista publicada esta segunda-feira pelo Jornal de Negócios. O responsável avisa que “os condomínios e as casas têm de se preparar para ter na garagem, como quem tem uma torneira de água, um posto de carregamento”.

Num comentário ao aumento da proporção de carros elétricos ou híbridos que vão vendidos (que chegou a 5% nos últimos meses do ano passado, revela o ministro), Matos Fernandes diz que “na próxima década não vai fazer sentido comprar um carro a gasóleo porque já serão muito próximo os valores de aquisição de um carro elétrico e, se for carregado em casa, o preço do quilómetro fica a 15%”.

Ainda assim, o ministro afasta a ideia de se dar incentivos ao abate dos carros a diesel, por troca por elétricos. “Não conheço nenhum país em que os subsídios sejam muito maiores: Portugal dá 2.250 euros por cada veículo elétrico novo. E está a desenvolver uma rede de carregamentos em todo o país, que ainda é gratuito”, afirma o ministro, na entrevista ao Negócios, reconhecendo que essa rede de carregamentos deixará de ser gratuita em breve mas que isso faz sentido porque “há muitos problemas com a manutenção desses postos precisamente por serem gratuitos”.