Tribunal

Joe Berardo recusa demolir casa de banho com vista para o Palácio das Necessidades

3.238

As decisões do tribunal, em mais do que uma situação, foram claras: as obras são para desfazer e o imóvel deve recuperar a traça original. Joe Berardo continua a protelar a realização dos trabalhos.

Joe Berardo alegou que as varandas eram um risco mortal para os netos

Carlos Manuel Martins / Global Imagens

Joe Berardo mandou construir uma casa de banho de luxo no terraço do prédio da Avenida Infante Santo, em Lisboa, em 2007. A obra é aparentemente ilegal e o tribunal ordenou que fosse demolida. O empresário recusa-se a fazê-lo, alegando que “todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto”, noticiou o Público.

Este é o último episódio de uma história que começou há 12 anos.

2007

O colecionador de arte ocupou o último andar de um edifício dos anos 1990 na Avenida Infante Santo. As infiltrações e outros problemas de construção levaram a que tivesse de impermeabilizar a cobertura do edifício. Joe Berardo aproveitou também para fechar as varandas e o terraço, que transformou numa casa de banho de luxo. Segundo o Público, o empresário teria de pedir a aprovação dos vizinhos — o  que não terá feito — e a ainda a autorização da Câmara Municipal de Lisboa e do Instituto do Património Arquitetónico — porque a obra está próxima do Palácio das Necessidades.

2007/2008

O vizinho do oitavo andar fez queixa da obra, alegadamente, ilegal. Embora o espaço fosse de acesso exclusivo à família de Berardo, estava incluído nas partes comuns do prédio, logo teria de ser aprovado pelos condóminos. A Câmara Municipal de Lisboa decretou um embargo à obra, mas, por razões não apuradas, este nunca avançou, refere o Público.

2016/2017

Um tribunal de primeira instância deu razão ao vizinho e condenou Joe Berardo a demolir tudo e a repor a configuração original do prédio. A justificação: o empresário deveria ter conseguido a aprovação de dois terços dos condóminos. Berardo recorreu e em 2017 houve nova sentença que confirmou a anterior. Os juízes criticaram que não tivesse consultado os condóminos, nem tivesse obtido as licenças e autorizações necessárias.

2018

Joe Berardo recorreu ao Tribunal Constitucional falando nos direitos a uma habitação condigna e no risco mortal que as varandas constituíam para os netos. Primeiro, os juízes nem quiseram analisar o caso, por não se tratar de uma violação da Constituição. Após recurso do empresário, os juízes responderam que: “A realização dos direitos fundamentais não se encontra vedada, desde que [o réu] cumpra o regime legal em vigor”.

Parece clara a decisão do tribunal, cuja última decisão remete para junho do ano passado, mas Joe Berardo afirma que a obra está legalizada e que os condóminos terão, em reunião de condomínio, aceitado a obra. A advogada do vizinho queixoso contesta: “Desde quando é que uma reunião de condomínio revoga uma decisão judicial?” Está agora em aberto a possibilidade de este vizinho desencadear uma nova ordem judicial que obrigue à demolição decretada pelo tribunal.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Justiça

Acabe-se com os tribunais administrativos, já!

João Luis Mota de Campos
174

Não é tolerável é manter em (des)funcionamento o actual sistema jurisdicional administrativo, que pode causar a alegria teórica de alguns mas é causador de um intenso prejuízo social e viola direitos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)