Rádio Observador

Papa Francisco

Papa e grande imã assinam declaração de fraternidade inédita

19.413

O papa, o primeiro líder da Igreja Católica a pisar o solo da península arábica, berço do Islão, e o grande imã de Al-Aazhar assinaram uma declaração que condena o terrorismo e a intolerância.

VINCENZO PINTO/AFP/Getty Images

O papa Francisco e o grande imã de Al Aazhar, Ahmad Al-Tayyeb, assinaram esta segunda-feira nos Emirados Árabes Unidos uma declaração inédita que condena o terrorismo e a intolerância. A declaração de fraternidade, já considerada histórica, pretende a paz entre nações, religiões e raças, e foi assinada diante uma audiência composta por diferentes líderes religiosos, do Cristianismo ao Islamismo, passando pelo Judaísmo e não só. No documento está escrito que tanto o Vaticano como Al-Azhar vão trabalhar em conjunto para combater o extremismo.

No seu discurso, o papa Francisco condenou esta segunda-feira toda a violência cometida em nome de Deus, afirmando num encontro inter-religioso em Abu Dhabi que os líderes religiosos devem ser faróis de paz e promover a dignidade.

Devemos condenar todas as formas de violência sem hesitação porque usar o nome de Deus para justificar o ódio e a violência contra o irmão é uma grave profanação, não há violência que encontre justificação na religião”, disse Francisco num encontro durante a sua primeira visita aos Emirados Árabes Unidos.

Francisco, que se tornou no primeiro líder da Igreja Católica a pisar o solo da península arábica, berço do Islão, acrescentou que não se deve cair na “tentação recorrente de julgar os outros como inimigos e adversários”. “Não há alternativa: ou construímos o futuro juntos ou não há futuro”, disse o papa junto ao memorial do fundador dos Emirados Árabes Unidos.

As religiões de uma maneira especial, não podem renunciar à urgente tarefa de construir povos e culturas”, assinalou o pontífice depois de anunciar a assinatura de um protocolo de fraternidade humana com o grande imã de Al Azhar, a principal instituição do islamismo sunita.

Na sua intervenção apelou ainda para a “liberdade religiosa”, enfatizando que “não se limita apenas à liberdade de culto”, mas que a prática religiosa não seja “forçada” sobre uma pessoa.

Sobre a sua visita aos Emirados Árabes Unidos, o papa disse que aceitou a oportunidade para promover a paz e para ser um instrumento de paz. “Estamos aqui para isso”, disse o pontífice acrescentando que os Emirados Árabes Unidos representam a transformação do deserto num lugar prospero e hospitaleiro e num encontro entre culturas e religiões, oferecendo esperança a muitos diferentes povos, culturas e credos. O pontífice concluiu seu discurso recordando os conflitos de vizinho Iémen, Síria, Iraque e Líbia e sublinhou que “Deus ajude o homem que procura a paz”.

O papa Francisco chegou no domingo aos Emirados Árabes Unidos e, na terça-feira, vai celebrar uma missa classificada como histórica num grande estádio de Abu Dhabi, para a qual são esperados mais de 130.000 fiéis. Cerca de um milhão de católicos — a maioria imigrantes asiáticos — vive nos Emirados, país cuja população é constituída por mais de 85% de expatriados, e podem praticar a sua religião em oito igrejas.

Desde o início do seu pontificado, o papa já se deslocou a vários países cuja população é maioritariamente muçulmana, como o Egito, o Azerbaijão, o Bangladesh e a Turquia. Em março é esperado em Marrocos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)