Rádio Observador

Facebook

Facebook. Depois dos escândalos, trabalhadores vão receber bónus por “progresso social”

Os rendimentos dos colaboradores do Facebook aumentavam quando a rede social crescia em utilizadores. Agora, os bónus dependem das melhorias da empresa no combate a problemas como as notícias falsas.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, comprometeu-se a lutar contra o discurso de ódio e as notícias falsas

Getty Images

O Facebook quer tornar-se uma força positiva no progresso social e vai motivar os funcionários nesse sentido. Como? Alterando o sistema de bónus da empresa. As melhorias de ordenado vão passar a depender do progresso da gigante tecnológica no combate às notícias falsas, ao discurso de ódio e a outros problemas sociais em que o Facebook tem influência. “Mudámos fundamentalmente a nossa forma de gerir o Facebook”, declarou a empresa que quer “incentivar as pessoas a desenvolver melhorias nos grandes problemas sociais com que se depara a Internet e a nossa companhia”. O novo sistema vai começar a medir o desempenho dos trabalhadores desta forma no primeiro trimestre de 2019, avança a CNBC.

A mudança está em linha com as prioridades indicadas pelo presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, numa chamada com investidores em janeiro de 2019. Os quatro objetivos da rede social a curto prazo, como indicados pela CNET, são:

  1. Fazer progresso nos problemas sociais que afetam a Internet e o Facebook;
  2. Criar serviços que melhorem a vida das pessoas;
  3. Apoiar negócios.;
  4. Ser mais transparente sobre o papel do Facebook no mundo;

2018. Reconquistar a confiança depois de um ano de escândalos

A luta para “reconquistar a confiança das pessoas”, como a caracterizou a COO da empresa, Sheryl Sandberg, ganha importância depois de 2018 ter sido marcado por sucessivos escândalos relacionados com a rede social. Ao longo do ano, foi exposto que vários agentes políticos utilizaram sistematicamente a rede social para disseminar informações falsas, criar polémicas e influenciar vários atos eleitorais (incluindo a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos da América em 2016). A empresa passou a limitar os anúncios políticos e quer proteger votos futuros.

Em março de 2018, as Nações Unidas denunciaram o uso da rede social para coordenar o genocídio da população Rohingya do Myanmar, permitindo a propagação de linguagem de ódio e retóricas racistas na plataforma. Em resposta, o Facebook admitiu não ter feito o suficiente para prevenir a tragédia.

Dias depois seria revelado pelo New York Times e pelo The Guardian que a empresa de análise de dados britânica Cambridge Analytica tivera acesso a dados de 87 milhões de utilizadores do Facebook sem o consentimento destes. As informações eram depois utilizadas para refinar campanhas eleitorais. Mark Zuckerberg acabaria por ser chamado a testemunhar perante o Congresso dos EUA para justificar as falhas de segurança.

A empresa tentou restringir a publicidade política na plataforma, mas acabou envolta em polémica por suprimir anúncios de organizações LGBTQ+, incluir artigos noticiosos no que considerava propaganda publicada e por o sistema ser fácil de abusar atribuindo autoria dos anúncios a qualquer político conhecido.

Em junho voltou a ser o New York Times a revelar que o Facebook vendia os dados dos seus clientes aos produtores de computadores e telemóveis, como a Apple, Amazon, Microsoft, ou Blackberry.

Internamente, a empresa começou a fragmentar-se, com acusações de “liberalismo intolerante” e de uma cultura de opressão política dentro do Facebook. Um memorando interno queixava-se de falta de diversidade de pensamento dentro da organização. O Facebook seria uma “monocultura política”.

Em setembro — logo após os fundadores do Instagram (comprado pelo Facebook em 2012) se demitirem devido à crescente influência do Facebook na plataforma que criaram — foi a própria empresa a assumir que os dados de 30 milhões de contas tinham sido expostos numa falha de segurança. Os hackers ainda não foram identificados. Outro bug, ligado à partilha de fotos, poderia ter exposto 6,8 milhões de pessoas semanas depois.

O ano não terminou sem ser revelado que, mesmo após os escândalos dos meses anteriores, o Facebook continuava a vender os dados dos seus utilizadores a pelo menos 150 empresas, da Amazon ao Spotify.

Resposta com lucros: 19,2 mil milhões de euros

O Facebook continua a tentar recuperar a sua imagem pública e limpar a rede social. Depois de perder duas importantes agências de combate às notícias falsas (a Associated Press e a Snopes) manteve o esforço para eliminar agentes negativos da plataforma. Em agosto eliminou as quatro páginas de Facebook do popular criador de teorias de conspiração Alex Jones. Agora apagou outras 22 páginas ligadas a Alex Jones e à sua empresa noticiosa, a Infowars.

Independentemente da imagem pública do Facebook, a empresa atingiu lucros recordes este ano. Foram 19,2 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 39% em relação ao ano anterior. O número de utilizadores da plataforma também continua a crescer — são 1,523 mil milhões de utilizadores ativos todos os dias. O grupo Facebook é proprietário de algumas das maiores redes sociais do mundo: além do próprio Facebook, detém o Instagram e a plataformas de troca de mensagens WhatsApp.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)