Facebook

Facebook perde duas das maiores agências de combate às notícias falsas

A Associated Press e a Snopes vão deixar de trabalhar com o Facebook. As duas agências ajudavam a combater as notícias falsas na plataforma. Empresas vão retomar conversações com a rede social.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, comprometeu-se a combater as divulgaçáo notícias falsas na plataforma

Getty Images

Duas das mais importantes agências de fact-checking do mundo, a Associated Press e a Snopes, anunciaram à BBC que vão deixar de trabalhar com o Facebook. As empresas ajudavam a rede social a combater a disseminação de notícias falsas na plataforma.

Representantes do Facebook garantiram que a empresa estava “dedicada a combater a informação falsa através de múltiplas táticas”, sendo o trabalho das agências de fact-checking uma componente importante desse esforço. A empresa continua a trabalhar com 36 consultores da área em 16 países.

Tanto a Associated Press como a Snopes afirmam continuar em conversações com o Facebook, sendo possível que voltem a trabalhar com a empresa no futuro. Mas a Snopes sublinhou que apenas colaboraria com o Facebook se tivesse a certeza de que “o resultado final era positivo para as comunidades online” e para os próprios trabalhadores. Os fundadores da agência acrescentaram numa mensagem pública que a decisão fora tomada de forma ponderada, por implicar perdas financeiras significativa para o grupo.

Em dezembro, o The Guardian, falava da frustração crescente das agências de fact-checking em relação ao Youtube. “Eles [o Facebook] não querem saber”, disse um antigo responsável da Snopes, depois de afirmar que o Facebook estava “mais interessado em criar boas aparências” do que em combater realmente os problemas da plataforma. O mesmo responsável comentou a saída das agências à BBC dizendo que o Facebook é “incapaz de lidar com qualquer tipo de crítica” e mantém um controlo demasiado apertado sob as agências que contrata.

As dificuldades surgem dias depois de o grupo Facebook (que integra serviços como o Instagram e o What’s App) anunciar lucros recorde — um aumento de 39% em relação ao ano passado, atingindo os 19,2 mil milhões de euros. Na mesma semana a Chief Operating Officer do Facebook, Sheryl Sandberg, desde o Fórum Económico Mundial, em Davos admitia falhas e deixava um objetivo para o futuro próximo: “O Facebook precisa de  reconquistar a confiança das pessoas”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)