Rádio Observador

Privatizações

Tribunal de Contas. Venda da Fidelidade pela Caixa não foi vantajosa para interesse público

281

Auditoria do Tribunal de Contas à venda dos seguros da Caixa Geral de Depósitos conclui que a operação feita em 2014, num ambiente adverso, não foi vantajosa para o interesse público a médio prazo.

LUSA

Insuficiente garantia de independência na avaliação e uma operação que a médio prazo não se “revela vantajosa para o interesse público”, são algumas das críticas apontadas pelo Tribunal de Contas à privatização do setor dos seguros da Caixa Geral de Depósitos. A operação que levou à venda do controlo do grupo Fidelidade aos chineses da Fosun foi realizada em 2014, na vigência do anterior Governo, mas só agora quase cinco anos depois é que sai a auditoria do Tribunal de Contas.

A auditoria, divulgada no mesmo dia em que Paulo Macedo, presidente da Caixa, vai ao parlamento falar sobre a outra a auditoria, a realizada pela EY a 15 anos de gestão do banco público, considera que houve várias deficiências no processo de alienação do grupo segurador. A começa pela garantia de independência da avaliação realizada às seguradoras que foram alienadas e passando ainda pela alteração de critérios de avaliação já na fase de apreciação das propostas vinculativas de compra. Estes aspetos constituem “reservas importantes” e suscitam “crítica”, escrevem os juízes.

A auditoria avalia também os resultados desta operação num horizonte mais alargado de tempo e em função do interesse público. E se esta operação “foi eficaz, a curto prazo, por atingir os objetivos fixados para o Grupo Caixa — nomeadamente a nível do reforço dos rácios de capital — a médio prazo, a opção não se revela vantajosa para o interesse público”. Isto é sustentado pelos resultados futuros obtidos pelas empresas vendidas — 752 milhões de euros entre 2015 e 2017 — e a valorização importante de ativos imobiliários.

O Tribunal realça que o encaixe obtido com a venda da Fidelidade — cerca de 1.620 milhões de euros — não evitou que, três anos depois a Caixa tivesse a necessidade de receber uma capitalização pública de 4.444 milhões de euros. Por outro lado, considera que a venda “não foi eficiente” porque foi realizada num ambiente de contexto e oportunidade que não permitiram maximizar os resultados. O processo de venda das seguradoras da Caixa foi lançado em situação de crise económica e resgate financeiro a Portugal, e por imposição da troika, numa altura que os investidores internacionais fugiam dos ativos portugueses, em particular do setor financeiro. Apesar de reconhecer a existência de compromissos internacionais, a auditoria sinaliza que a operação foi realizada sem uma avaliação prévia do custo/benefício.

Apenas dois grupos apresentaram propostas vinculativas para a compra da Fidelidade, o fundo americano Apollo e o grupo chinês Fosun que viria a ganhar. A compra da Fidelidade foi o ponto de partida para o investimento da Fosun em Portugal que mais tarde se estendeu à Luz Saúde, REN e BCP. A operação envolveu ainda a alienação das seguradoras Care e Multicare. A Caixa ainda é acionista da Fidelidade, com quem tem um acordo para comercialização de seguros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)