Proteção de Dados

Deputados discutem 16 anos como idade mínima para redes sociais

1.233

O RGPD está quase a ter lei nacional e a idade mínima para redes sociais pode subir para 16 anos. Para validar, pode ser necessário uma Chave Móvel Digital, avança a Exame Informática.

O RGPD propõe que a idade mínima para a acesso a redes sociais seja entre os 13 e 16 anos.

O PS, CDS e PCP propõem alterar a idade mínima para consentimento de dados pessoais na Internet para 16 anos. A medida vai ser discutida na próxima quarta-feira, 13 de fevereiro, na reunião do grupo de trabalho na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, que está a preparar a lei portuguesa relativa ao Regulamento Geral sobre a Proteção de dados (RGPD), avança a Exame Informática.

Esta proposta de lei definia que o limite se fixasse nos 13 anos de idade, como estabelece o RGPD, como idade mínima. A razão para que na lei portuguesa este limite seja de 16 anos é devido à idade legal já definida para casos semelhantes na legislação nacional. À revista, Vânia Dias da Silva, deputada do CDS, afirmou que “o CDS decidiu propor a baliza dos 16 anos de idade, depois da audição da presidente da CNPD [Filipa Galvão]”. Contudo, a política assume que a medida “possa não ter um grande efeito prático, porque os mais jovens podem encontrar forma de se registarem nos diferentes serviços online…”.

É nesta tentativa de se encontrar a eficácia desta medida que este grupo de trabalho vai também discutir a possibilidade de exigir um Cartão de Cidadão ou a Chave Móvel Digital de um representante legal de um menor em serviços na Internet para validar o consentimento de dados pessoais. Ou seja, a avançar com este ponto, um jovem menor de 16 anos para criar uma  conta no Instagram precisaria que a mãe ou pai validassem o ato com esta ferramenta. Tal não significa que o jovem não pudesse criar a conta, mas apenas assim o ato seria lícito.

As propostas do PCP e PS são idênticas à do CDS, pelo que, compondo estes partidos uma maioria de voto para aprovação, é possível que esta medida seja aprovada. Além deste ponto, os vários partidos preveem chumbar a proposta do governo de isentar o Estado de coimas quanto a falhas quanto ao RGPD.

O RGPD passou a ser plenamente aplicável a 25 de maio de 2018, dois anos depois de ter sido publicado. Portugal ainda não criou lei nacional quanto aos pressupostos deste regulamento europeu. A Comissão Europeia exigiu que Portugal aprovasse legislação nacional até dia 24 de março.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

'Big data' para criar impacto

António Miguel

Sem dados quantitativos e precisos sobre as reais necessidades das populações em situação de vulnerabilidade, será muito difícil obter respostas sociais customizadas que consigam resultados eficazes.

Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)