Marte

Morreu o rover Opportunity. NASA anuncia fim da missão após 15 anos a explorar Marte

837

O rover Opportunity, um dos veículos enviados pela agência espacial norte-americana para explorar Marte, está morto. Este ativo durante 15 anos, mas só devia ter durado apenas três meses.

NASA

Morreu o rover Opportunity, um dos veículos enviados pela agência espacial norte-americana para explorar Marte. A agência espacial norte-americana anunciou esta quarta-feira o fim da missão depois de o veículo ter deixado de enviar sinais para a Terra na sequência de uma tempestade de poeira que o impediu de receber energia do Sol. O Opportunity foi enviado para o Planeta Vermelho a 7 de julho de 2003 e chegou ao destino final a 25 de janeiro de 2004. Manteve-se ativo durante 15 anos. Devia ter durado apenas três meses.

O Opportunity sucumbiu a uma gigantesca tempestade de poeira que o mergulhou debaixo do pó e impediu os painéis solares de produzir energia.”A primeira indicação de uma tempestade de poeira a 621,37 milhas (1.000 quilómetros) do Opportunity foi recebida na noite de sexta-feira”, disse a NASA depois de o Mars Reconnaissance Orbiter  — uma máquina que orbita o planeta em busca de sinais da existência de água no passado marciano — ter encontrado sinais de “uma tempestade persistente, mas ainda muito distante” que estava a “afetar a opacidade atmosférica no local” onde o rover estava.

A 10 de junho, a agência espacial percebeu que a tempestade que o Mars Reconnaissance Orbiter tinha reconhecido e que estava “ainda muito distante” do Opportunity tinha-se transformado numa tempestade de areia gigantesca que estava a dar a volta ao planeta e que, pelo caminho, tinha engolido o rover. A NASA previu que ele “tinha sofrido uma falha de baixa energia, entrando em hibernação até o céu eventualmente ficar limpo”. Essa era, pelo menos, a esperança da agência espacial. Mas nunca mais houve sinais de vida do Opportunity.

Em setembro, o Laboratório de Propulsão a Jato, responsável pelo rover, afirmou que se a Opportunity não comunicar com a Terra até meados de outubro “a equipa será forçada a concluir que a poeira bloqueadora do Sol e o frio marciano podem ter causado algum tipo de falha da qual o rover provavelmente não se recuperaria”. No fim de setembro, a NASA conseguiu localizar o Opportunity, que estava perdido na tempestade de poeiras em Marte. Ainda assim, o Opportunity parecia estar em coma.

Quatro meses depois dessas novidades, a NASA fez uma última tentativa e enviou uma ordem para testar se o Opportunity respondia ao sinal dos engenheiros. O sinal foi enviado durante a noite de terça para quarta-feira. Depois, os cientistas esperaram cerca de 26 minutos: um sinal enviado da Terra para Marte demora mais ou menos 13 minutos a chegar ao destino. Depois, se o Opportunity o recebesse e conseguisse executar, precisaríamos de mais 13 minutos para o saber. Mas já se passaram mais de 12 horas e o rover continua em silêncio. Por isso, só pode estar morto, concluiu a NASA.

A missão Opportunity é considerada uma das missões da NASA mais bem sucedidas na exploração interplanetária. “A missão do rover Opportunity da NASA chega ao fim depois de 15 anos a explorar a superfície de Marte e a ajudar a criar os pilares para o regresso da NASA ao Planeta Vermelho”, escreveu a agência espacial norte-americana. “É por causa de missões como a Opportunity que há de chegar o dia em que os nossos corajosos astronauta vai andar na superfície de Marte. E quando esse dia chegar, uma parte dessa primeira pegada vai ser dada pelos homens e mulheres do Opportunity, um pequeno rover que desafiou todas as probabilidades e fez tanto em nome da exploração”, disse Jim Bridenstine, administrador da NASA.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)