O Turismo de Portugal vai comprar 46 carros a gasóleo e investir mais de 670 mil euros na compra dos veículos, mesmo depois dos avisos feitos pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, quando afirmou que “quem comprar um carro diesel muito provavelmente daqui a quatro ou cinco anos não vai ter grande valor na sua troca”. A compra espera apenas o visto prévio do Tribunal de Contas (TdC).

Segundo noticia o jornal I, fonte do Turismo de Portugal explicou que esta é a “opção mais racional”, pois os veículos elétricos atuais ainda não possuem autonomia suficiente para as necessidades de utilização dos carros de serviço em todo o país e trata-se da melhor opção tendo em conta o rácio custo/benefício. A mesma fonte acrescenta que a rede de abastecimento dos carros elétricos ainda não existe em todo o território nacional.

A decisão de comprar novos carros a gasóleo foi tomada depois do fim dos contratos de aquisição, em regime de Aluguer Operacional de Veículos (AOV), dos veículos da frota do Turismo de Portugal, em 2017 e 2018. No total, a entidade já gastou mais de 200 mil euros no aluguer de 43 viaturas. Os novos carros a gasóleo serão usados pela rede escolar (escolas de Hotelaria e Turismo), pelo Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos e pelos colaboradores da entidade.

No entanto, o Turismo de Portugal esclareceu ao jornal que tem como objetivo, assim que seja possível, substituir as viaturas que vão comprar agora por carros elétricos. “Temos como compromisso ter toda a frota elétrica até 2023, na sequência da Estratégia Turismo 2027, e pretendemos proceder à substituição das viaturas a diesel do presente contrato por viaturas elétricas assim que seja contratualmente possível”.