Rádio Observador

Serena Williams

Lembra-se do cartoon da fúria de Serena Williams contra árbitro português? Oficialmente, não é racista

263

O regulador australiano da comunicação social considerou a caricatura aceitável. O cartoon de setembro de 2018 goza com raiva da tenista Serena Williams contra uma decisão do árbitro Carlos Ramos.

Serena Williams a discutir com o árbitro Carlos Ramos na final do US Open, a 8 de setembro de 2018

Matthew Stockman/Getty Images

O Conselho Australiano da Imprensa defendeu o cartoon do jornal Herald Sun sobre a discussão da tenista Serena Williams com o árbitro português Carlos Ramos na final do US Open de setembro de 2018. O desenho de Mark Knight foi acusado de refletir estereótipos racistas tanto no retrato da afro-americana Serena Williams como da sua adversária japonesa, Naomi Osaka, que venceu o torneio pela primeira vez na carreira, aos 21 anos.

O regulador australiano da comunicação social respondeu às queixas meses depois garantindo que o cartoon não quebrava nem os princípios legais nem os morais da imprensa australiana, limitando-se a “utilizar a sátira, a caricatura, o exagero e o humor”.

Nos EUA, a Associação Nacional de Jornalistas Negros considerou o desenho “repugnante”

“Não só transpira racismo, como sexismo para com as duas mulheres, e uma excessiva influência do desenho histórico dos negros na caricatura de Serena Williams”, afirmou na altura a Associação Nacional de Jornalistas Negros, baseada nos Estados Unidos da América.

O grupo considerou o trabalho “repugnante”, particularmente por Serena Williams ser retratada com lábios e nariz exagerados (de forma similar aos retratos dos escravos negros durante a era colonial) e uma corte de cabelo afro que a tenista não utiliza. Os críticos apontaram ainda as imprecisões no retrato da adversária, Naomi Osaka. A japonesa tem descendência haitiana, sendo morena e de pele escura, enquanto que no cartoon do Herald Sun é desenhada como branca e loira.

Naomi Osaka (à direita) após a vitória contra Serena Williams (à esquerda) na final do US Open 2018

O regulador australiano reconheceu as críticas, sublinhando ainda que a posição de Serena Williams no desenho podia ser comparada “à de um gorila”, admitindo a necessidade de olhar o desenho “à luz do contexto histórico das caricaturas racistas do afro-americanos”. Ainda assim o Conselho Australiano da Imprensa defende que a publicação do cartoonnão implica racismo da parte do jornal ou do artista.

Serena Williams discutiu com árbitro português por considerar decisões sexistas

A tenista americana foi multada em 15 mil euros por queixas excessivas na final. O árbitro português Carlos Ramos penalizou Serena Williams por duas vezes (por receber dicas do treinador e por partir a raquete em frustração). Serena Williams respondeu acusando Carlos Costa de ser “um ladrão”. O árbitro penalizou-a por abuso verbal. A tenista disse que nunca tinha quebrado as regras e que não precisava de fazer batota para ganhar.

Após perder o jogo, Serena Williams disse que nunca um homem seria penalizado por chamar ladrão a um árbitro, considerando a decisão do árbitro “sexista”. A tenista comprometeu-se a “lutar pelos direitos das mulheres no ténis”. A Federação Internacional de Ténis defendeu Carlos Ramos, que caracterizou como “um dos mais experientes e respeitados árbitros do ténis”. A Federação sublinhou ainda que todas as decisões do português tinham sido corretas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)