Rádio Observador

São Tomé e Príncipe

Primeiro-ministro são-tomense quer “nova era” na cooperação com Angola

O primeiro-ministro de São Tomé sublinhou que o e o país quer apostar na experiência das autoridades angolanas, sobretudo nos setores do petróleo, turismo, obras públicas, pescas e segurança.

A visita de três dias do primeiro ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus, a Angola termina esta quarta-feira de manhã

AMPE ROGÉRIO/LUSA

O primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe afirmou esta terça-feira, em Luanda, que estão abertas as portas para uma “nova era” na cooperação com Angola, assumindo a eleição do vizinho lusófono como “parceiro estratégico”.

Numa conferência de imprensa que marcou o final da visita de trabalho de três dias a Angola, Jorge Bom Jesus, que regressa quarta-feira ao fim da manhã a São Tomé e Príncipe, salientou que o país quer apostar na experiência das autoridades angolanas, sobretudo nos setores do petróleo, turismo, obras públicas, pescas e segurança.

Elegemos Angola como parceiro estratégico para traçar um novo quadro para que possamos, no futuro, desenvolver a economia dos dois países numa base de reciprocidade, em que a cooperação económica é fundamental”, sublinhou.

Destacando que São Tomé e Príncipe “acarinha” os interesses de Angola no país, Jorge Bom Jesus assumiu que terá de operar uma reforma na área da Justiça, sobretudo no que diz respeito à alteração de legislação para criar um ambiente mais favorável à atração do investimento.

“Conhecemos a situação e esta reforma tem de ser concretizada, uma vez que, sem ela, dificilmente haverá investidores privados no país”, defendeu, prometendo que, a esse nível, e a outros, que não especificou, “muito vai mudar nos próximos tempos”.

Sobre a recetividade de Angola à vontade são-tomense, Jorge Bom Jesus lembrou o relacionamento “histórico” entre o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder desde 1975) e o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe (MLSTP, que regressou no final de 2018 ao poder) para sublinhar que o futuro das relações está “assegurado”.

O chefe do executivo são-tomense realçou que as relações entre Luanda e São Tomé conheceram “um abrandamento” nos últimos anos, salientando que, com a chegada à chefia do Governo, há dois meses e meio, a afinidade com o MPLA irá voltar.

Escusando-se a comentar questões como as trocas comerciais e a dívida de São Tomé e Príncipe a Angola, Jorge Bom Jesus salientou a necessidade de intensificar as relações económicas, sobretudo nos domínios do petróleo e do turismo, bem como na construção e/ou remodelação de infraestruturas importantes para o país, como o porto e o aeroporto de São Tomé.

Em relação à questão da segurança, Jorge Bom Jesus reivindicou para São Tomé e Príncipe o estatuto de “chave de entrada” no Golfo da Guiné, pela sua localização geográfica, como porta de entrada para a sub-região num espaço de “grande importância” para as relações político-diplomáticas, militares, paz, defesa, segurança e económicas.

“Não queremos continuar a nutrir com Angola esta relação no sentido único de quem vai pedir. São Tomé e Príncipe tem que olhar para si, para as suas potencialidades e está em condições de poder dar e tem muito para dar”, disse Jorge Bom Jesus.

Sobre o setor das pescas, o primeiro-ministro são-tomense lembrou que a Zona Económica Exclusiva (ZEE) do país é 160 vezes maior do que a parte terrestre, pelo que há vontade dos dois países em explorar o mar neste domínio.

Na sua primeira deslocação ao estrangeiro, Jorge Bom Jesus, que dedica a tarde de hoje e a manhã de quarta-feira para encontros com a comunidade são-tomense em Luanda e com empresários dos dois países, fez-se acompanhar pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades, Elsa Pinto, e do Planeamento, Finanças e Economia Azul, Osvaldo Abreu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)