Operação Marquês

Sofia Fava: “José Sócrates sempre foi um mãos largas. Dava-me sempre muito mais dinheiro do que eu precisava para ir ao supermercado”

5.490

Ex-mulher de Sócrates desconhecia o fluxo financeiro constante entre Carlos Santos Silva e o ex-primeiro ministro e assumiu que nunca questionou a origem do dinheiro que recebia de ambos.

Sofia Fava com o seu advogado Paulo Sá e Cunha, à entrada no Tribunal Central de Instrução Criminal para depor como arguida na fase de instrução criminal da Operação Marquês

JOÃO RELVAS/LUSA

Ao contrário do que aconteceu com Armando Vara, o interrogatório de Sofia Fava decorreu esta segunda-feira sem grandes surpresas. Nervosa, hesitante mas focada única e exclusivamente nos alegados ilícitos de branqueamento de capitais e falsificação de documento que o Ministério Público (MP) lhe imputa em regime de co-autoria com Carlos Santos Silva e José Sócrates, Sofia Fava recusou responder às perguntas que tinham só a ver com o seu ex-marido — o principal arguido da Operação Marquês. Preferiu, pelo contrário, alegar desconhecimento total sobre o fluxo financeiro constante entre o ex-primeiro-ministro e aquele que o MP classifica de seu alegado testa-de-ferro, Carlos Santos Silva, optando por seguir a mesma linha de defesa de Sócrates: “Se calhar, se eu soubesse que ele [José Sócrates] pedia dinheiro emprestado para me emprestar a mim, eu não lhe pediria isso”, disse.

De acordo com a acusação da Operação Marquês, Sofia Fava terá recebido cerca de 600 mil euros de José Sócrates e de Carlos Santos Silva entre 2007 e 2015, além da quantia de cinco mil euros mensais que uma empresa de Santos Silva, a XLM, lhe pagou entre 2009 e 2014 por conta de um contrato de trabalho como engenheira do ambiente que o MP diz ser falso mas que Fava garante que corresponde a serviços efetivamente prestados.

“Nunca fui pessoa de exigir pensão de alimentos. Estamos a falar do pai dos meus filhos e do meu ex-marido. Nunca tivemos uma conta de deve/haver. Eu nunca lhe disse dá-me X que amanhã preciso de Y. Eu pedia-lhe para ir ao supermercado, e ele [José Sócrates] dava-me”, justificou Sofia Fava.

Apesar de várias insistências do juiz Ivo Rosa, Sofia Fava nunca aceitou falar sobre os gastos de José Sócrates. “Eu não falo com ele sobre a vida pessoal dele, sobre o que é que ele faz. Somos amigos com filhos [em comum]”, disse.

Atento a todas as respostas de Sofia Fava, o juiz usou a mesma técnica de interrogatório que já tinha utilizado com Vara: seguiu uma linha cronológica na análise dos factos mas após a primeira ronda de perguntas começou a dar ‘saltos no tempo’, andando para trás ou para a frente na sua ‘linha do tempo’, para tentar surpreender Sofia Fava e perceber se se verificavam contradições no testemunho.

O monte para o qual não tinha dinheiro

O interrogatório de Sofia Fava, contudo, concentrou-se na aquisição do Monte das Margaridas — uma herdade no Alentejo que a ex-mulher de José Sócrates e o seu então companheiro Manuel Costa Reis compraram em 2012 em Montemor-o-Novo por cerca de 760 mil euros com crédito do Banco Espírito Santo (BES).  A aquisição desta propriedade, através de um crédito do Banco Espírito Santo (BES) está no centro da acusação que lhe foi feita pela equipa do procurador Rosário Teixeira devido à participação de Carlos Santos Silva em todo o processo:

  • Deu garantias para a emissão de uma livrança à ordem do BES;
  • Foi o fiador do empréstimo do BES
  • Disponibilizou-se para manter 760 mil euros (o valor da aquisição do monte) ‘congelados’ numa conta à ordem do BES para servir de garantia ao empréstimo concedido

Questionada pelo juiz Ivo Rosa, Sofia Fava explicou que, sendo engenheira do ambiente, sempre gostou de terra e da natureza. Por isso mesmo, sempre quis ter uma casa secundária que tivesse um terreno rústico à volta. A clique para concretizar  a ideia nasceu em 2010 quando Manuel Costa Reis, o seu companheiro de então, lhe mostrou uma quinta familiar na zona de Vila do Conde. O problema é que o irmão de Costa Reis não concordou em ceder o bem — que fazia parte de uma herança que ainda não tinha sido alvo de partilhas.

Um pouco mais de um ano depois, Sofia Fava e Manuel Costa Reis avançaram para o Alentejo. Com um cheque de 200 mil euros nas mãos emitido pelo irmão do companheiro em nome das partilhas, Fava começou à procura de um monte para resolver o “problema emocional” deles com a quinta da família Costa Reis.

O juiz quis saber se José Sócrates e Carlos Santos Silva tinham sido consultados previamente sobre essa decisão de comprar um monte alentejano mas Sofia Fava negou. Sócrates só foi informado em conversa de circunstância, “num dia em que ele foi jantar lá a casa”, já depois de ter sido assinado um contrato-promessa — cujo sinal de 100 mil euros foi pago por Costa Reis. Enquanto Santos Silva só soube quando aquele contrato-promessa foi assinado.

Um pouco mais tarde, Sofia Fava pediu e recebeu 150 mil euros de Carlos Santos Silva para reforçar o sinal a pedido dos proprietários do Monte das Margaridas. Apesar de ter dito que pensou primeiro no seu tio como fiador, mais tarde, devido a doença do tio, acabou por ser Carlos Santos Silva também o fiados do empréstimo

O principal problema de Sofia Fava, como acabou por reconhecer depois de várias insistências do juiz Ivo Rosa, é que não tinha dinheiro para pagar o crédito que tinha pedido ao BES. Insistindo que era necessário fazer uma análise à sua vida para chegar a uma conclusão séria, Fava acabou por explicar que o contrato de consultadoria que tinha assinado com a XLM de Carlos Santos Silva e que lhe rendia cinco mil euros por mês — o montante da prestação mensal que tinha de pagar ao BES pelo crédito do Monte das Margaridas –, juntamente com o aluguer de um andar na rua Abade Faria (prédio onde José Sócrates morou depois de ter sido libertado do Estabelecimento Prisional de Évora) — eram as únicas fontes de rendimentos.

Sócrates achou compra do Monte “uma parvoíce”

Ivo Rosa insistiu em saber se José Sócrates tinha aprovado a compra ou se tinha tido conhecimento prévio da aquisição, perguntando a Sofia Fava se tinha chegado a mostrar-lhe plantas ou fotos do monte. Fava respondeu que o seu ex-marido tinha achado a compra “uma parvoíce”, acrescentando que o ex-primeiro-ministro tinha ido duas vezes à propriedade: uma logo a seguir à morte do pai e do irmão António Pinto de Sousa — que faleceram no verão de 2011 com um intervalo de poucas semanas — e outra mais tarde para ver um jogo do Benfica depois de ter saído do Algarve. Já Carlos Santos Silva esteve para ir ao Monte das Margaridas mas Fava diz que a visita nunca se concretizou.

O alegado ilícito de branqueamento de capitais que é imputado a Sofia Fava tem essencialmente a ver com os montantes muito significativos que José Sócrates lhe dava, sendo que parte desses fundos tinham origem ou em entregas de dinheiro ou em transferências de Carlos Santos Silva para o ex-primeiro-ministro. Tendo em conta que o MP diz que José Sócrates utilizou Carlos Santos Silva para esconder a alegada origem ilícita dos fundos — por suspeitas de corrupção –, tal significa, seguindo o raciocínio da acusação, que as transferências para Sofia Fava poderão ser uma operação clássica de branqueamento de capitais.

Sofia Fava rejeita cabalmente a visão da acusação. Enfatizando que estava a falar do pai dos seus filhos — de quem se separou há muitos anos –, Fava explicou que nunca exigiu o pagamento de uma pensão de alimentos para os dois filhos do casal e sempre deu uma justificação para o dinheiro que pedia. “Eu nunca fiz pedidos do género: ‘preciso de tanto, dá-me tanto’. “Ele [José Sócrates] sempre foi uns mãos largas. Eu precisava de dinheiro para ir ao supermercado e ele dava-me sempre muito mais dinheiro do que eu precisava”, disse.

Ivo Rosa insistiu com Sofia Fava de que os valores que José Sócrates lhe transferia eram muito significativos, superiores a ‘contas de supermercado’, visto que os valores variavam entre os 2 mil e os 5 mil euros ou então ultrapassavam várias dezenas de milhares de euros. E tentou perceber se a ex-mulher de Sócrates sabia a origem do dinheiro — o que Fava negou.

O juiz de instrução criminal chegou mesmo a perguntar se Sofia Fava sabia como Sócrates tinha comprado um Mercedes Classe S — o topo de gama do construtor germânico que está avaliado em cerca de 100 mil euros — mas a engenheira do ambiente, num momento de tensão com Ivo Rosa, questionou o sentido da pergunta.”Não tenho por hábito perguntar às pessoas qual é a origem do dinheiro”, disse.

O juiz não gostou da resposta.

Ou sabe ou não sabe. A resposta é simples. Eu não posso adivinhar. Tem de ser a senhora a responder”, afirmou. Ivo Rosa fez questão de acrescentar que “estamos aqui a tentar perceber a origem deste dinheiro. O dinheiro até pode ser do arguido José Sócrates e isso não tem problema nenhum. A questão reside em saber a origem do dinheiro”, enfatizou.

Apesar das insistências de Ivo Rosa, Sofia Fava não cedeu: “Estou aqui para falar do que me é imputado”.

O contrato com a XLM

Além do crime de branqueamento de capitais, Sofia Fava é também suspeita do crime de falsificação de documentos por alegadamente o já referido contrato de trabalho com a XLM de Carlos Santos Silva não corresponder, na visão do MP, a uma prestação de serviços efetiva. A acusação garante que o contrato apenas serviu para pagar a mensalidade do empréstimo que Fava tinha de pagar pelo Monte das Margaridas, visto que o valor de ambos (contrato e empréstimo) era muito semelhante: cinco mil euros.

Sofia Fava, que garantiu durante a fase de investigação que conhecia Santos Silva desde os anos 90 como o “amigo rico da Covilhã”, negou veementemente essa alegação, falou das suas anteriores experiências profissionais como engenheira do ambiente e analisou, a instância do juiz, cópias dos projetos que realizou para a empresa de Carlos Santos Silva para obras em Angola e outros mercados de exportação onde a XLM trabalhava — muitas vezes em parceria com o Grupo Lena.

Questionada por Ivo Rosa, Sofia Fava repetiu o que já tinha dito:

  • foi Carlos Santos Silva quem lhe propôs o contrato em 2009;
  • foi uma ajuda importante na sua vida por que o seu companheiro Paulo Xabim tinha acabado de morrer e havia encargos com um empréstimo da Caixa Geral de Depósitos por causa do prédio da rua Abade Faria;
  • trabalhava em casa a seu pedido porque não se sentia em condições psicológicas de trabalhar num escritório;
  • E José Sócrates só soube disso mais tarde, não tendo nada a ver com a decisão de Santos Silva.

O juiz de instrução questionou-a sobre quem tinha redigido os contratos (ao que Sofia Fava disse que não sabia) e porque razão Sofia Fava não trocava emails com Santos Silva (ao que a ex-mulher de Sócrates respondeu que foi só numa primeira fase).

A parte mais problemática do interrogatório surgiu com a intervenção do procurador Rosário Teixeira que, por intermédio do juiz Ivo Rosa, questionou-a por que razão recebia desde 2009 a remuneração da XLM em cheque e, a partir de 2013, passou a receber por transferência bancária na conta do BES que utilizava para pagar o empréstimo do Monte das Margaridas. Sofia Fava atrapalhou-se e respondeu: “É porque eu sou lenta e só me lembrei disso nessa altura”.

José Sócrates tem alguma coisa a ver com o contrato com a XLM?, perguntou o juiz. “Não. Nunca o ouvi a dizer essa palavra: XLM”, respondeu Fava.

Para tentar perceber melhor o envolvimento de Sofia Fava com a XLM, Ivo Rosa questionou-a ainda sobre se conhecia Ana Maria Bessa — a mulher do ex-ministro Pedro Silva Pereira (amigo de José Sócrates) que também foi avençada da empresa de Carlos Santos Silva. Sofia Fava disse que nunca trabalhou com Ana Bessa e que só soube que tinha trabalhado com a XLM durante o processo Marquês, acrescentando que era amiga da irmã.

Recorde-se que Pedro Silva Pereira e a sua mulher foram considerados suspeitos da alegada prática do crime de branqueamento de capitais na Operação Marquês por terem recebido 112,8 mil euros da XLM. O grosso do montante (98 mil euros pagos entre 2013 e 2014) deveu-se a um contrato de Ana Bessa com a XLM, com o “acordo e conhecimento” de Silva Pereira, que o MP considerou “fictício”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)