Rádio Observador

Redes Sociais

Novo “match” no Tinder? Cuidado: pode ser um robô de um partido político

Campanha de Jeremy Corbyn, no Reino Unido, em 2017, usou perfis falsos no Tinder, programas informáticos que simulam conversas, para atrair votos. Eleições de 2020 nos EUA pode repetir a abordagem.

Joe Raedle/Getty Images

O partido trabalhista do Reino Unido, liderado por Jeremy Corbyn, venceu a corrida ao lugar de deputado eleito pelo círculo de Dudley North por uma diferença de apenas 22 votos, nas eleições gerais de 2017. O resultado confirmou aquilo que já se sabia durante a campanha: o eleitorado estava profundamente dividido, e todos os votos eram valiosos. O Financial Times recupera a história dessa campanha para revelar que militantes do partido trabalhista usaram chatbots [programas informáticos que simulam conversas reais] em aplicações vocacionadas para encontros amorosos, como o Tinder.

Segundo o diário financeiro britânico, cerca de 150 membros da campanha de Corbyn emprestaram os seus perfis no Tinder para que estes fossem usados por este tipo de bots. Foram esses programas informáticos que, de forma automática, foram “gostar” do máximo número de pessoas e tentar fazer “match” (correspondência) com elas, para que o diálogo se pudesse iniciar. O programa era desenhado para começar com alguns elogios ao aspeto físico da outra pessoa e conversa de circunstância — esperando pelas respostas do outro lado, como se de uma conversa verdadeira se tratasse.

A certa altura, o bot começava a falar sobre como estava a pensar votar no partido trabalhista (o Labour), enumerando algumas das principais medidas do programa político de Jeremy Corbyn, como a eliminação das propinas universitárias, aumento do salário mínimo e apoios à habitação para jovens. “O que achas disto?”, perguntava, no final, o bot. Uma das imagens mostradas pelo Financial Times mostra um eleitor a responder “sim, parece-me bem. Onde eu vivo normalmente é o Labour que ganha, portanto provavelmente vou optar por aí”.

Terão sido enviadas cerca de 40 mil mensagens dirigidas a pessoas entre os 18 anos (a idade mínima para votar) e os 25 anos. Repetimos: no final, o Labour ganhou por uma diferença de 22 votos.

O mesmo bot (devidamente adaptado) foi usado em outros casos, incluindo um movimento que quis criticar o envolvimento da transportadora aérea British Airways nas políticas de deportação de pessoas. E, no Brasil, o próprio Ministério da Saúde usou bots em apps como o Tinder para alertar para o perigo de contrair HIV, antes das festas do Carnaval de 2015.

Uma das autoras do bot que foi usado pelos militantes trabalhistas, Charlotte Goodman, revelou ao jornal britânico que também já foi abordada por campanhas políticas nos EUA que já estão a trabalhar nas eleições presidenciais de 2020. Mas não revela quais form os partidos que a contactaram.

Quem não parece ver esta tendência com bons olhos são as empresas donas das redes sociais que são usadas para este fim. A Match Group, dona do Tinder, diz que este tipo de bots são “absolutamente proibidos”: “os nossos produtos são feitos para que solteiros procurem conhecer outros solteiros, quem estiver a fazer outra coisa que não isso será expulso”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
158

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Redes Sociais

Uma bandeira que vale mais do que a fama

P. José Maria Brito, SJ
149

O que terá o fundador da Companhia de Jesus a ver com o Team Strada? Poderá ele dizer-nos alguma coisa sobre a educação dos afetos? Leitura dum tema da atualidade partindo da espiritualidade inaciana

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)