Rádio Observador

Enfermeiros

“Marcha branca” reúne milhares de enfermeiros em Lisboa. Há críticas à ministra da Saúde

3.443

Organização fala em 10 mil enfermeiros, PSP não avança números. Não é um desfile sindical nem um protesto, é uma defesa da "dignidade" e "união" do setor -- mas há críticas ao Governo.

O desfile vai terminar no Hospital Santa Maria

Luís Vaz Fernandes

Mais de 70 autocarros com enfermeiros viajaram de todo o país para a marcha branca pela enfermagem que decorre esta sexta-feira em Lisboa, segundo o movimento que organiza a iniciativa. Estão presentes milhares de enfermeiros, num desfile que pretende “mostrar a união da classe”. O Movimento Nacional de Enfermeiros avançou ao Observador um primeiro número: dez mil enfermeiros na “marcha branca”. A PSP, para já, não confirma nem avança outros números.

Sónia Viegas, do Movimento Nacional de Enfermeiros, tinha dito ao início da tarde à agência Lusa que ao longo do dia era esperada a chegada de cerca de cinco mil pessoas vindas de fora de Lisboa, além dos enfermeiros da capital que se juntaram ao desfile.

[Vídeo: O adeus ao velho cartão como forma de protesto]

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, que desde o início apoiou esta iniciativa, foi recebida à chegada à “marcha branca” como muitos aplausos e gritos de euforia. Para a bastonária, este desfile veio mostrar que a sua missão está cumprida.

Os enfermeiros têm hoje uma identidade e um sentido de pertença”, apontou Ana Rita Cavaco em declarações à Lusa.

Pelas 14:30, largas centenas de enfermeiros estavam já concentradas no Parque da Bela Vista, em Lisboa, de onde partiram em direção ao Hospital de Santa Maria, onde vai terminar o desfile, que conta com o apoio da maioria dos sindicatos do setor.

Uma larga maioria de participantes respondeu ao apelo do movimento e enverga t-shirts e roupa branca, exibindo ainda cravos da mesma cor. No local, estão a ser distribuídos folhetos de protesto que imputam à ministra da Saúde “falsear e manipular números”, apesar do “caráter [à partida] não reivindicativo” da marcha.

O desfile coincide com o Dia da Mulher e será também uma forma de assinalar “uma das figuras centrais da enfermagem”, Florence Nightingale, enfermeira que no século XIX mudou o paradigma da profissão, tendo sido considerada pioneira no tratamento a feridos de guerra, durante a Guerra da Crimeia.

Alguns sindicatos, como a Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE), convocaram para esta sexta-feira uma greve nacional de enfermeiros para permitir a participação de mais profissionais no desfile.

Luís Vaz Fernandes

Esta marcha ocorre depois de um período de especial contestação por parte dos enfermeiros, que se traduziu em duas greves em blocos operatórios e a um braço de ferro com o Governo, sobretudo depois de ter sido decretada uma requisição civil com o objetivo de travar a segunda paralisação.

Ao início do dia, a organização esperava que pelo menos 4 mil enfermeiros chegassem à concentração em autocarros pagos pela Ordem. Alguns sindicatos do setor decretaram greve para garantir maior adesão ao que se propunha ser uma marcha pela dignidade da enfermagem.

“É para isto que se pagam quotas”, defendeu a bastonária dos Enfermeiros ao Diário de Notícias, jornal que avança (em conteúdo só para assinantes) que a ordem suporta os custos dos 70 autocarros que irão transportar enfermeiros de todo o país até à capital. Segundo Ana Rita Cavaco, “o estatuto permite que a ordem apoie este tipo de iniciativas desde que não tenham cariz sindical”. Por isso mesmo, foram feitos apelos aos manifestantes para que não usassem bandeiras ou outro tipo de símbolos relacionados com os diferentes sindicatos de setor e também para que não usem o momento para fazer reivindicações laborais.

A ausência de reivindicações, porém, parece não ter sido inteiramente conseguida, dada a distribuição de folhetos de protestos e as tarjas erguidas contra o Governo.

A Bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco (@ MARIO CRUZ/LUSA)

Ao que o Observador apurou, alguns enfermeiros pretendiam entregar as suas cédulas profissionais quando a marcha passar pela Ordem dos Enfermeiros, como forma de protesto.

Dress code: roupa e cravos brancos

Num poster da Marcha Branca para a Enfermagem lia-se um aviso: “Dress code: roupa e cravos brancos.” Segundo Sónia Viegas, porta-voz do Movimento Nacional de Enfermeiros, impulsionador do desfile, disse ter a expetativa de reunir milhares de enfermeiros em Lisboa e sublinhou que todas as estruturas sindicais do setor estarão presentes. Aliás, foi por isso mesmo que algumas estruturas sindicais optaram por fazer um pré-aviso de greve para sexta-feira. Para abril, está marcada uma greve geral que, segundo o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), será  “prolongada e muito dura”.

O anúncio foi feito na quinta-feira, depois de uma reunião com o Governo que marcou o início de um período de negociações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)