Rádio Observador

Venezuela

Venezuela. Nicolás Maduro atribui apagão a ataques informáticos e incêndio em estação elétrica

2.070

Presidente da Venezuela diz que a origem do apagão é um conjunto de ataques informáticos e um incêndio. Especialistas já vieram dizer que rede elétrica venezuelana não pode ser atacada pela internet.

Nicolás Maduro diz que há infiltrados na empresa nacional de eletricidade da Venezuela e promete castigos

AFP/Getty Images

Numa altura em que mais de metade da Venezuela continua sem eletricidade há mais de 50 horas consecutivas, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, veio falar publicamente pela primeira vez, atribuindo a origem do ‘apagão’ a um “ataque cibernético internacional” feito com “tecnologia de alto nível que só o governo dos Estados Unidos é que tem”.

Num comício em Caracas, Maduro defendeu que a rede elétrica venezuelana sofreu quatro ataques intencionais: dois cibernéticos, um eletromagnético e um outro através de um incêndio ateado numa subestação elétrica, no sul do país, que o presidente da Venezuela garantiu ser “fundamental para a distribuição de energia”.

Nicolás Maduro classificou ainda o ataque como “anormal, extraordinário e grave” e acusou os autores de serem “cobardes” por não darem a cara. O presidente venezuelano assegurou ainda que a rede elétrica deverá ser definitivamente reposta “nas próximas horas”.

De acordo com a versão de Maduro, já os trabalhos de restabelecimento da rede elétrica estavam em curso quando o país foi alvo de “outro ataque de carácter cibernético a uma das fontes” de energia. Foi esse ataque com tecnologia de ponta que frustrou todos os esforços feitos até então, argumentou Maduro.

O presidente venezuelano está ainda convencido de que há infiltrados na empresa nacional de eletricidade, ao serviço dos Estados Unidos. Mas serão identificados e castigados, garantiu.

Entretanto, especialistas em energia já vieram desmentir a teoria de Nicolás Maduro. Em declarações à imprensa venezuelana, alguns consultores que se mantiveram sob anonimato explicaram que a rede elétrica venezuelana é anterior à Internet, pelo que não poderá ser atacada remotamente.

Mais de metade do país encontra-se sem acesso à eletricidade depois de uma falha elétrica na tarde de sexta-feira. Há milhares de estabelecimentos comerciais encerrados e já morreram 15 doentes renais que precisavam de diálise. Este sábado, a energia já foi restabelecida em algumas zonas da capital, Caracas, mas o resto do país continuava sem eletricidade.

Também neste sábado, o Governo da Venezuela assegurou que vai entregar às Nações Unidas, “dentro de poucos dias”, provas concretas de que o apagão teve origem num ataque levado a cabo pelos Estados Unidos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)