Um incêndio que deflagrou esta segunda-feira de manhã num prédio habitacional na Amadora fez um morto e seis feridos, três dos quais estão em estado grave.

A vítima mortal é uma bebé de um ano de idade. Dos seis feridos, três estão em estado grave e os restantes são feridos ligeiros confirmou ao Observador fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa (CDOS).

Entre os feridos graves está a mãe da criança que morreu. A mulher, que tem entre 25 e 30 anos, terá agarrado na filha quando se apercebeu do incêndio e, com a aflição, ao descer rapidamente as escadas, terá deixado cair a criança, contou o comandante dos Bombeiros da Amadora, Mário Conde, ao Observador. A mulher ficou com queimaduras graves e foi transferida para o Hospital Santa Maria, em Lisboa.

De acordo com relatos de uma moradora, Carla, à SIC Notícias, a mãe saiu “toda queimada do prédio”. “Ela tinha a cara queimada, o cabelo queimado, um dos braços estava todo queimado“. As duas, juntamente com o pai, não viviam no piso onde se deu o fogo, mas em andares superiores, referiu o comandante. O pai da criança, a ver-se sem opções, terá tentado escapar pela janela, referiu a mesma moradora.

A dificuldade em sair do edifício causou esta vítima mortal e os outros feridos graves“, disse Mário Conde. O pai da bebé está a receber apoio psicológico.

Entre os feridos graves, está ainda um bebé de oito meses, por inalação de fumo e algumas queimaduras, e outra mulher com cerca de 28 anos, informou o comandante Mário Conde ao Observador. Os feridos foram transferidos para o Hospital Santa Maria.

Há ainda três feridos ligeiros, um dos quais uma mulher grávida. Dois dos feridos foram transportados para o Hospital Amadora-Sintra e para o Hospital São José, Em Lisboa. O terceiro ferido recebeu apenas assistência no local.

O fogo ocorreu no rés-do-chão de um edifício de três andares na Estrada Salvador Allende, na freguesia da Venteira. Não é claro que os feridos sejam todos do mesmo apartamento. O alerta para o fogo foi dado pelas 7h18 e às 7h55 já estava extinto, confirmou o CDOS de Lisboa.

No local estiveram 32 operacionais acompanhados por treze veículos dos bombeiros da Amadora e de Queluz, da PSP e viaturas do INEM. O local está vedado e as causas do incêndio são para já desconhecidas. A Polícia Judiciária já está no local.

(Artigo atualizado às 12h33)