Rádio Observador

TGV

Ir a Meca com estilo e rapidez: TGV que liga Meca a Medina já é uma tendência

Comboio especial que liga Meca a Medina foi estreado em setembro e está pronto para levar milhares de fiéis na peregrinação santa em Agosto. Nos primeiros seis meses teve ocupação média de 80%.

BANDAR ALDANDANI/AFP/Getty Images

Longe vão os tempos em que uma peregrinação se cingia apenas ao esforço humano de fazer uma longa distância a pé. Cada vez mais há outros meios para que os fiéis das várias religiões possam chegar ao seu destino de formas mais rápidas e confortáveis. Na junção dessas duas qualidades, dificilmente haverá algo melhor do que um TGV. Foi nisso mesmo que reparou o governo da Arábia Saudita quando avançou para a construção de uma linha de alta-velocidade entre as cidades santas de Meca e Medina. O processo de construção foi longo e com muitos obstáculos, mas terá valido a pena: os primeiros seis meses foram um sucesso.

O projeto começou a ser criado no final de 2011 pelo consórcio Al Shoula Grupo, composto por 12 empresas sauditas e espanholas (com a Renfe como principal investidora e mentora), sendo orçamentado em 6,7 mil milhões de euros. Porém, aquilo que parecia uma ideia inovadora e com “pernas para andar” esteve em risco várias vezes e por vários motivos: a fraca coordenação entre as empresas do consórcio, que tinham uma cultura empresarial muito diferente, ou os desafios colocados pelo deserto (ventos ou temperaturas extremas) complicaram os trabalhos.

O projeto era assim inaugurado a 25 de setembro de 2018, quase dois anos depois da data de lançamento inicialmente prevista e com uma derrapagem orçamental de cerca de mil milhões de euros. Um início atribulado, mas recompensador: nos primeiros seis meses, o Haramain, nome do comboio que é do modelo Talgo T-350, teve uma taxa de ocupação de 80%. Uma média muito interessante, dizem os investidores, ainda mais se tivermos em conta o facto de que ainda não houve momentos de grande afluência religiosa para o também chamado de “Comboio do Deserto”. Mas essa altura está para breve.

O interior do Haramain, mais tecnológico e moderno do que a maioria dos habitantes da Arábia Saudita estavam à espera

O primeiro teste será a altura do Ramadão, que decorrerá de 7 de maio a 4 de junho, mas o grande momento de afluência e um dos principais motivos para a criação desta linha ferroviária será mesmo o Haje. A grande peregrinação islâmica, que será, este ano, entre entre 9 e 14 de agosto, é mesmo a base da ideia da “Linha do Deserto”, já que as estações terminais são as duas cidades mais importantes para o Islão: Meca e Medina. A linha de alta velocidade tem, de resto, 450 quilómetros de comprimento e conta com cinco estações: Meca, Jeddah, Aeroporto Internacional Rei Abdulaziz, King Abdullah Economic City e Medina.

Uma janela da religião para a modernidade, que os fiéis aceitaram com fácil aprovação. Antes de se entrar no comboio, diz o El País, que fez a viagem, há muitos passageiros que tiram selfies e fotos de família, mostrando que o Haramain é já quase um símbolo religioso. A iniciativa tem ainda maior destaque tendo em conta que há já alguns anos que os sauditas reclamavam da precariedade das instalações e serviços de transporte.

“Não costumamos ver esta pontualidade”, comentou ao jornal espanhol Mustafa, impressionado, em Riad, com o nível de pontualidade do comboio, num país no qual esta qualidade não é muito comum. Mustafa e a sua esposa tinham acabado de fazer toda a viagem de Meca para Medina, em três horas, percurso que demoraria entre quatro horas e meia a cinco horas de carro. “Recebemos um serviço impecável”, concordaram.

Um feedback muito positivo e que deixa as expetativas em alta para quando se derem os principais momentos de afluência nas celebrações islâmicas, já em maio com o Ramadão. A viagem custa 441 reais sauditas ida e volta (cerca de 110 euros) em primeira classe, e 262,50 reais sauditas (65,41 euros) em classe económica. Os bilhetes podem ser comprados na bilheteira, mas é recomendada a reserva online dada a grande procura. Por enquanto, a estação de Meca é reservada a muçulmanos, sendo necessária a apresentação de documentação que o comprove.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
TGV

Uma tragédia a alta velocidade

Luís Ribeiro
387

Para quê ceder às pressões espanholas e entrar num negócio que a priori não é lucrativo e que conduzirá Portugal a maior dependência de uma Espanha centralizadora, como se está a ver no caso catalão?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)