Futebol

Dois médicos acusados de homicídio involuntário de Davide Astori, capitão da Fiorentina que morreu há um ano

231

Dois médicos italianos foram acusados do homicídio involuntário de Davide Astori, jogador da Fiorentina que morreu há um ano. As equipas italianas homenagearam o capitão viola há duas semanas.

Astori tinha 31 anos e era internacional pela seleção italiana

Getty Images

Dois médicos foram esta terça-feira formalmente acusados do homicídio involuntário de David Astori, o capitão da Fiorentina que morreu em março de 2018 devido a uma paragem cardiorrespiratória. O Ministério Público de Florença, em Itália, revelou que a investigação aberta em dezembro aos profissionais de saúde responsáveis por confirmar a aptidão física do italiano entre 2014 e 2017 está concluída e resultou na acusação dos dois médicos: Francesco Stagno, diretor do Instituto de Medicina Desportiva de Cagliari, e Giorgio Galanti, antigo diretor do Centro de Medicina Desportiva do Hospital de Careggi, em Florença.

Segundo a Gazzetta dello Sport, que teve acesso à investigação, o Ministério Público italiano concluiu que os dois profissionais de saúde são responsáveis pela súbita morte de Astori por terem violado “os protocolos de cardiologia para a confirmação de aptidão física para o desporto competitivo”. O capitão da Fiorentina foi submetido a um eletrocardiograma em julho de 2016 e a outro em julho do ano seguinte. Nas provas de esforço desses exames, foi detetada a presença de extrasístoles ventriculares: ou seja, o internacional italiano sofria de um problema cardiovascular que provocava a aceleração do ritmo cardíaco. A condição, contudo, é bastante comum e não merece preocupação de relevo. O procedimento habitual é a realização de uma nova bateria de exames com vista a perceber se o problema já provocou danos no coração e se terá, inclusive, causado questões adicionais. Terá sido esta segunda vaga de exames que Davide Astori nunca fez e que foi o motivo principal para a abertura da investigação aos dois médicos – e da consequente acusação.

O jornal italiano acrescenta ainda que Stagno e Galanti cometeram um crime ao não submeter Davide Astori a um diagnóstico mais profundo sobre a origem dessas extrasístoles, algo que é também um procedimento habitual para excluir “doenças cardíacas orgânicas” ou “síndrome arritmogénico”. Para a justiça italiana, o diagnóstico do que levou ao problema cardiovascular do capitão da Fiorentina numa fase inicial teria colocado um fim à atividade física do jogador e prevenido o aparecimento de “arritmias ventriculares malignas” através de medicação.

De recordar que a polícia italiana chegou a abrir um inquérito judicial à morte de Astori, que foi encontrado morto a 4 de março de 2018 num quarto de hotel em Udine, para averiguar a possibilidade de se ter tratado de um homicídio. A hipótese acabou por ser afastada e a morte do jogador da Fiorentina foi mesmo atribuída a causas naturais. A presença de extrasístoles ventriculares, contudo, é a principal causa de morte de atletas em atividade e foi na sequência deste mesmo problema que Antonio Puerta, lateral do Sevilha, morreu em 2007 aos 22 anos, depois de sofrer várias paragens cardiorrespiratórias durante um jogo com o Getafe.

Davide Astori, nascido em San Giovanni Bianco, na província de Bérgamo, tinha 31 anos e jogava na Fiorentina desde 2015, depois de passagens pelo AC Milan, clube em que se formou, Pergolettese, Cremonese, Cagliari e Roma. A equipa de Florença estava hospedada num hotel de Udine, em estágio para um jogo com a Udinese, e os colegas de Astori começaram a estranhar o facto de o jogador não descer a tempo do pequeno-almoço. Depois de vários companheiros de equipa tentarem contactar o italiano através de chamadas telefónicas, este acabou por ser encontrado morto pelo massagista da Fiorentina. O corredor do hotel encheu-se de colegas em choque, debruçados sobre si próprios, a chorar a morte do seu capitão. A notícia da acusação feita pela justiça italiana aos dois médicos surge pouco mais de um ano após a morte de Astori: há duas semanas, todos os jogos da Serie A pararam ao minuto 13 – o número que o jogador usava na camisola – para homenagear o capitão da equipa viola.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)