Mark Zuckerberg, o máximo responsável do Facebook, anunciou na noite desta quinta-feira que a empresa perdeu dois altos quadros. Chris Cox, o número três da hierarquia e administrador responsável pelo produto do Facebook, e Chris Daniels, responsável pelo Whatsapp, demitiram-se na sequência das alterações que Zuckerberg quer implementar. O fundador do Faceboook tem insistido que quer que a rede social seja uma plataforma focada e orientada sobretudo para a privacidade dos utilizadores, depois de todas as polémicas originadas pela partilha de dados dos utilizadores quando o caso Cambridge Analytica foi tornado público.

12 coisas que tem de saber para perceber a polémica do Facebook e da Cambridge Analytica

Chris Cox já trabalhava há mais de uma década com Mark Zuckerberg. Começou como engenheiro, construiu as primeiras equipas de recursos humanos, liderou as equipas de produto e design na condução da aplicação móvel do Facebook e estava a supervisionar a estratégias para as restantes aplicações do grupo. “Vou sentir muita falta do Chris, mas estou profundamente agradecido por tudo o que fez para construir este lugar e servir a nossa comunidade”, escreveu Zuckerberg.

Já Chris Daniels, para além de chefiar a equipa responsável pelo Whastapp, foi responsável pela condução da equipa de desenvolvimento de negócios e que “ajudou a que mais de 100 milhões de pessoas tivessem acesso à internet”. “Gostei muito de trabalhar com o Chris [Daniels] e tenho a certeza de que vai fazer um ótimo trabalho naquilo que escolher a seguir”, disse Mark Zuckerberg.

Mark Zuckerberg quer mudar (e muito) o Facebook: “As pessoas preferem a intimidade”

O fundador do Facebook não deixou os lugares vazios durante muito tempo. Na mesma nota, anunciou que a aplicação móvel do Facebook vai ser liderada por Fidji Simo, que já integrava a equipa. Já o Whatsapp vai estar sob a alçada de Will Cathcart que integrava a equipa da aplicação móvel.

Esta notícia surge na sequência do maior apagão de sempre da história do Facebook. A rede social, o Messenger, o Instagram e o Whatsapp estiveram intermitentes durante um dia, originando uma corrida a aplicações concorrentes.

Maior apagão da história do Facebook deveu-se a uma “mudança na configuração do servidor”