Função Pública

PS diz que “já foi feito” o que havia a fazer quanto à contagem do tempo na Função Pública

O presidente do PS sublinhou que "as preocupações do Partido Socialista são grandes" relativamente à contagem do tempo de serviço dos funcionários públicos, mas que nesta legislatura já foi feito.

Carlos César falava aos jornalistas no Palácio de Belém, no final de uma reunião com o Presidente da República,

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Partido Socialista (PS), Carlos César, considerou esta terça-feira que aquilo que havia para “fazer nesta legislatura” relativamente à contagem do tempo de serviço dos trabalhadores do Estado “já foi feito”.

Carlos César falava aos jornalistas no Palácio de Belém, no final de uma reunião com o Presidente da República, no âmbito dos contactos regulares com todos os partidos.

Também o Bloco de Esquerda se reuniu com Marcelo Rebelo de Sousa na segunda-feira, tendo a coordenadora nacional do partido transmitido ao chefe de Estado ser preciso desbloquear o impasse entre Governo e trabalhadores do Estado sobre a contagem do tempo de serviço.

À saída do encontro, Catarina Martins aproveitou para anunciar uma reunião que os bloquistas tiveram com o primeiro-ministro na semana passada, na qual transmitiram esta preocupação a António Costa.

Questionado sobre este tema, César começou por dizer que participou na reunião e sublinhou que “as preocupações do Partido Socialista são grandes, como se sabe, nesses domínios, porque o que aconteceu no passado é que congelaram a progressão nas carreiras aos funcionários públicos, aos professores e a todas as profissões afins da administração pública”.

E o que aconteceu depois foi que, com a entrada do Partido Socialista, houve esse descongelamento e a reposição de algum tempo de serviço, que nós procuramos que seja feito de forma equitativa das carreiras especiais e da administração pública em geral”, acrescentou.

Porém, “aquilo que era para fazer nesta legislatura, e em consonância também com as possibilidades que o país tem nesse domínio, já foi feito“, sublinhou o socialista.

“Nós gostaríamos muito que a governação que temos em curso e que os seus bons resultados se prolongassem no tempo, de modo a permitir que, com sustentabilidade, sejam feitos outros progressos do ponto de vista do aumento dos rendimentos dos funcionários públicos e dos portugueses em geral e é para isso que trabalhamos e que estamos no Governo”, vincou o presidente do PS.

Questionado sobre que agenda poderá o PS propor aos partidos que apoiaram o PS na solução governativa nesta legislatura, que não passe pela recuperação de direitos, Carlos César considerou que é “um bom tema, mas na proximidade das próximas eleições legislativas nacionais”.

“Para já, nós estamos concentrados em concluir esta legislatura, em executar o programa de Governo, e em governar bem para merecer a confiança dos portugueses”, assinalou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Choque de Gestão na ADSE

Rui Nunes
327

É exigência ética que os recursos que os funcionários e agentes do Estado colocam à disposição do conselho diretivo sejam usados de forma eficiente para garantir a sustentabilidade deste subsistema.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)