Google

Concorrência europeia volta a multar a Google, em 1,5 mil milhões

Terceira multa em três anos. A autoridade da concorrência europeia voltou a multar a gigante norte-americana -- em 1,5 mil milhões de euros, por abuso de posição dominante na publicidade online.

A comissária europeia para a concorrência, Margrethe Vestager.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Terceira multa em três anos. A autoridade da concorrência europeia, liderada por Margrethe Vestager, voltou a multar a gigante norte-americana — em 1,5 mil milhões de euros. Em causa está uma acusação de abuso de posição dominante na publicidade online.

“A Google consolidou o seu domínio na área dos anúncios online em motor de busca e, dessa forma, escudou-se das pressões concorrenciais através da imposição de restrições contratuais com sites terceiros, restrições que são anti-concorrenciais”, pode ler-se no comunicado da comissária que tem a pasta da concorrência.

No passado, a Google impunha que quem quisesse utilizar o sistema de pesquisa da Google nos sites apenas o podia fazer se utilizasse o serviço de publicidade digital da empresa, o AdSense, exclusivamente. A Google alterou estas imposições em 2009, mantendo outras até 2016, mas a Comissão decidiu sancioná-la por não ter permitido o desenvolvimento de concorrência neste período.

A Google já reagiu: “sempre concordámos que mercados saudáveis e vibrantes são do interesse de todos. Já fizemos amplas alterações aos nossos produtos de modo a responder às preocupações da Comissão. Ao longo dos próximos meses, iremos fazer mais atualizações para proporcionar maior visibilidade aos concorrentes na Europa”, afirmou Kent Walker, vice-presidente sénior de Global Affairs da Google, segundo comunicado enviado por agência de comunicação ligada à Google.

Esta é a terceira multa do género imposta à Google, seguindo-se a outras penalizações anunciadas em junho de 2017 e em julho de 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)