Rádio Observador

Google

Google. Em resposta à Comissão Europeia, Android vai passar a perguntar ao utilizador que browser quer instalar

Prestes a ter mais uma coima milionária da Comissão Europeia e em resposta aos 4.300 milhões de julho, a Google promete alterações no Android e vai perguntar ao utilizador que browser quer instalar.

O Google Chrome é o browser mais utilizado nos telemóveis, com 56,74% da taxa de mercado, segundo o Statcounter. A seguir, apenas o Safaria, com 21,29%, que funciona apenas no iOS

AFP/Getty Images

Dona do Android, o sistema operativo móvel mais utilizado em smartphones em todo o mundo, e tendo o iOS, da Apple, praticamente como único concorrente, a Google vai passar a perguntar aos utilizadores dos seus telemóveis que browser querem instalar.  É a resposta aos que, como a Comissão Europeia, afirmam que a empresa que tem o monopólio dos motores de pesquisa, também tem o dos sistemas operativos móveis browsers. O anúncio foi feito esta terça-feira feira, numa publicação, depois de o Financial Times ter avançado que a tecnológica americana prepara-se para receber mais uma coima da União Europeia por abuso de posição dominante, devido às táticas de publicidade online. Com a decisão, a Google diz que passará a sugerir vários browsers para “que os donos de um telefone Android conheçam as opções de escolha”.

Ao longo dos últimos anos, fizemos também alterações — ao Google Shopping; às nossas licenças de aplicações mobile e também no AdSense para a Pesquisa 一 em resposta directa às preocupações formais levantadas pela Comissão Europeia.  Desde essa altura, temos escutado, atentamente, o feedback que temos tido, quer da Comissão Europeia quer de outros. E em resultado disso, ao longo dos próximos meses iremos fazer mais atualizações aos nossos produtos na Europa”, afirma Kent Walker, vice-presidente de assuntos globais da Google.

No passado, o mesmo cenário já aconteceu de forma algo semelhante com outro gigante, a Microsoft. No sistema operativo Windows para PC, que vinha com o Internet Explorer instalado de origem, depois de várias batalhas legais com o NetScape e, posteriormente, com o Firefox, passaram a ser propostos aos utilizadores vários browsers para instalar. Agora, com a navegação em sistemas móveis a constituir a maioria do tráfico online, e sendo o Android o sistema mais utilizado, os serviços de pesquisa da Google e o browser Chrome são a predefinição na instalação para a maioria das empresas de smartphones. Isto faz com que acabem por ser os mais utilizados, levando a Google optar pela mesma medida.

Após a decisão da Comissão Europeia de Julho de 2018, mudámos o nosso modelo de licenciamento para as aplicações Google que desenvolvemos para utilização nos telefones Android, criando licenças novas, separadas, para o Google Play, para o browser Google Chrome e para a Pesquisa Google. Ao fazermos isto, mantivemos a liberdade para os fabricantes de smartphones instalarem qualquer aplicação alternativa juntamente com a aplicação da Google”, Kent Walker.

A Google afirma que os seus produtos promovem “mercados abertos e competitivos”, mas com a barra de pesquisa e o browser pré-instalado em inúmeros smartphones Android, a Comissão Europeia tem defendido que não é oferecida uma verdadeira escolha ao consumidor. No passado, houve parcerias com fabricantes de smartphones em que, no ecrã inicial, nem sequer era possível desinstalar a barra de pesquisa da empresa. Contudo, com o Android a permitir o corte de custos a muitas empresas de telemóveis, por poderem contar com este software para ser a base dos seus smartphones, a Google defende que estimulou o crescimento deste mercado.

Nos telefones Android, sempre foi possível instalar qualquer motor de pesquisa ou browser que um utilizador quisesse, independentemente do que vem pré-instalado num telefone quando é comprado”, diz a Google em sua defesa.

Para já, a medida vai ser aplicada apenas na Europa, o que acontecerá “nos próximos meses”. A Google, porém, não avança mais informações sobre como é que esta vai funcionar para fabricantes de telemóveis como a Xiaomi, a Samsung ou a Huawei, que são das mais vendidas do mundo e utilizam por base o software Android, mas fazem alterações de funcionalidades — instalando, por predefinição, os browsers proprietários destas marcas, e não o Chrome. A opção pode passar por a Google passar a exigir que as empresas que se baseiem no Android tenham de oferecer esta opção na configuração inicial aos consumidores na União Europeia. Contudo, ficam mais dúvidas: depois, para instalar, a Google também vai sugerir outras lojas de aplicações além da Play Store, de que é proprietária?

Esta medida surge numa altura em que se espera que, na próxima semana, a Comissão Europeia aplique à Google mais uma coima por abuso de posição dominante, desta vez com o AdSense. No passado, a Google impunha que quem quisesse utilizar o sistema de pesquisa da Google nos sites, apenas o podia fazer se utilizasse apenas este serviço de publicidade digital da empresa. A Google alterou estas imposições em 2009, mantendo outras até 2016, mas a Comissão pode sancioná-la por não ter permitido o desenvolvimento de concorrência neste período.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)