Moçambique

Idai. Autarca da Beira alerta para várias mortes com sintomas de cólera

273

Com a região da Beira inundada e sem saneamento básico, a cólera passa para a água e a comida, criando-se um ambiente propício à sua propagação. Há receios de um surto após a passagem do ciclone Idai.

Todos os anos a cólera provoca mortes em Moçambique na época das chuvas

TIAGO PETINGA/LUSA

Daviz Simango, presidente do município da Beira, no centro de Moçambique, referiu esta segunda-feira em entrevista à Lusa que há várias mortes registadas com sintomas de cólera, elevando os receios de um surto após o ciclone Idai.

“Estamos à procura de [meios de] diagnóstico, mas nós conhecemos a cólera, conhecemos os sintomas e dinâmica”, referiu o autarca acerca de uma doença que é tratável, mas que todos os anos provoca mortes em Moçambique na época das chuvas.

“Se numa unidade sanitária há seis, sete mortos nas mesmas circunstâncias de diarreia, é um indicativo claro de que a cólera está aí à porta”, acrescentou, ao descrever os casos que conhece.

Com a região inundada e sem saneamento básico, a cólera passa para a água e comida, criando-se um ambiente propício à sua propagação.

Depois do pesadelo do ciclone, Daviz Simango teme o pesadelo de um surto de doenças.

“Nos centros de acomodação” para os desalojados, improvisados em escolas, “tem de se colocar tapetes e água desinfetada” para que, quem entra, “não leve a cólera lá para dentro”, destacou.

São locais de abrigo que estão apinhados, nalguns casos com centenas de pessoas, facilmente expostas.

“Nos centros de acomodação, as pessoas não vivem em condições humanas”, referiu.

Na cidade são necessárias latrinas, pede o autarca.

Celso Correia, ministro da Terra e Ambiente de Moçambique, referiu no domingo que “a prioridade nas próximas semanas é evitar a eclosão de doenças”.

“É importante termos consciência de que vamos ter cólera, malária, já temos filária, e vai haver diarreias. O trabalho está a ser feito para mitigar” os surtos, destacou.

A estratégia inclui a instalação de centros de tratamento – habitualmente instalados em zonas de surto para conter e tratar doentes – e distribuição de equipas médicas por todo o território afetado.

As Nações Unidas anunciaram a instalação de campos de abrigo temporário, com tendas e hospitais de campanha, para onde vão ser conduzidas os 89.000 desalojados (um número que tem crescido todos os dias) que estão nos centros de acolhimento improvisados.

O mais recente balanço do ciclone Idai feito pelas autoridades moçambicanas, apresentado esta segunda-feira, aponta para 447 vítimas mortais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)