Rádio Observador

II Guerra Mundial

A tecnologia de ponta que quase fez os nazis vencerem a II Guerra. “Os aliados não acreditaram no que viram”

866

Do primeiro caça-jato à primeira aeronave em forma de asa delta. A tecnologia aeronáutica nazi quase os fez ganhar a II Guerra Mundial e alimentou os desejos de Hitler, sempre de olhos postos no céu.

AFP/Getty Images

Já não é novidade que a Alemanha nazi desenvolveu vários utensílios de tecnologia de ponta, durante a II Guerra Mundial. Mas é precisamente pela vanguarda dos projetos militares dos derrotados de um dos maiores conflitos de todos os tempos que há sempre mais por explorar, principalmente no campo da aeronáutica.

Como relembra o ACB, os nazis fabricaram o primeiro avião a jato e bombardeiros gigantes capazes de viajar milhares de quilómetros sem reabastecer. O especialista e autor do livro “O Enigma Nazi”, José Lesta, disse que “o poder destrutivo e as técnicas utilizadas eram tão avançadas que até ao último momento Hitler ainda esperava dar um golpe surpresa aos aliados”.

O historiador acrescenta ainda que se os planos dos nazis tivessem sido concluídos alguns meses antes, o rumo da II Guerra Mundial podia ter sido totalmente diferente. Pelas afirmações de José Lesta, é possível imaginar a quantidade de maquinaria pesada que a Alemanha tinha. Os nazis foram pioneiros na construção várias aeronaves que fariam o mundo temer ao olhar para o céu.

A (quase) primeira nave espacial do mundo

Foi uma das primeiras naves espaciais da história. O objetivo desta invenção era responder a obsessão de Hitler em bombardear os Estados Unidos, o que era quase impossível, já que nos anos 40 nenhum avião conseguia ter autonomia para se deslocar os 6 mil quilómetros entre a Alemanha e os Estados Unidos.

O processo de ataque era complexo e consistia em carregar a aeronave com uma bomba com 5 toneladas de urânio radioativo (cerca de um décimo do material libertado no acidente de Chernobyl). “Uma vez lançada em Nova York, cairia uma nuvem radioativa sobre a cidade, o que seria fatal para a maioria dos habitantes”, explicou Lesta. Mas a derrota dos nazis para os aliados impediu que o plano fosse para a frente.

O primeiro caça jato operacional do mundo

Chamava-se Messerschmitt Me 262 e simbolizou uma mudança radical no panorama bélico aéreo. Este motor a jato deu maior velocidade aos aviões, no tempo em que todos tinham hélices. Podiam voar mais alto, mais rápido e reabastecer menos vezes. “Os aliados não acreditaram no que viram. Enquanto eles se moviam lentamente com antigas hélices, o alemão Messerschmitt navegava pelos céus a 850 quilómetros por hora, uma velocidade nunca vista”, escreve Lesta no livro “O Enigma Nazi”. Mas, mais uma vez, a tecnologia ousada chegou tarde demais. O número Messerschmitt Me 262 era muito inferior ao número de aeronaves dos aliados.

A primeira aeronave em forma de asa delta

Foi criada pelos irmãos Reimar e Walter Horten e foi dos últimos projetos aéreos dos nazis completamente “fora da caixa”. A dupla criou este avião porque descobriu, após vários testes, que oferecia menos resistência ao vento. Deste modo, percorria uma distancia maior sem precisar de combustível. Para além do formato inovador, este avião era invisível aos radares americanos. Lesta conta que “a superfície do bombardeiro teria uma camada de cola especial baseada em carbono, que seria indetetável para os radares americanos da época. Os irmãos Horten construiram a primeira aeronave invisível aos radares quase meio século antes dos americanos”.

O objetivo do uso desta aeronave era, mais uma vez, cumprir o sonho de Hitler: bombardear os Estados Unidos. “O Ho 18 devia descolar de uma base secreta alemã fazendo uma viagem de ida e volta à costa leste norte-americana. Numa só tentativa e sem escalas, teria de atravessar o Atlântico para chegar a Nova York, depois soltaria “uma única bomba de 4 toneladas e retornaria imediatamente para a Alemanha sem reabastecer. A velocidade do avião deve ser muito alta, pelo menos mil quilómetos por hora”, acrescenta o especialista. Mas se as tentativas de cumprir o desejo de Hitler se repetiram, o seu fracasso também se repetiu. Os aliados descobriram a tempo a oficina dos Horten.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
II Guerra Mundial

D-Day: 75 anos depois /premium

João Carlos Espada

É desejável que a legítima crítica a Donald Trump não traga de volta o profundo anti-americanismo que dominou no século XX largos sectores da esquerda e da direita anti-democráticas na Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)