Aníbal Cavaco Silva

Cavaco classifica como indecorosa a prática de “jobs for the boys”

2.466

Cavaco Silva defende que é fundamental que a Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública "volte a ser respeitada como entidade independente".

Na apresentação do livro "A Reforma das Finanças Públicas em Portugal", do porta-voz do Conselho Estratégico Nacional do PSD Joaquim Miranda Sarmento, Cavaco Silva defendeu a transparência nas nomeações para cargos dirigentes da administração pública

ANDRE DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

O ex-Presidente da República Cavaco Silva classificou esta quarta-feira a prática de nomeações partidárias para cargos dirigentes da administração pública, conhecida como “jobs for the boys”, como “indecorosa”.

Na apresentação do livro “A Reforma das Finanças Públicas em Portugal”, do porta-voz do Conselho Estratégico Nacional do PSD Joaquim Miranda Sarmento, Cavaco Silva defendeu a transparência nas nomeações para cargos dirigentes da administração pública, dizendo estar apenas a recuperar o que já escreveu em 2017 no livro “Quinta-feira e outros dias”. “Como se tem vindo a e verificar, a prática de ‘jobs for the boys’ é muito negativa para o país e para os portugueses. No livro que escrevi em 2017, classifiquei as situações deste tipo como indecorosas”, realçou.

A este propósito, Cavaco Silva defendeu ser fundamental que a CRESAP (Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública) “volte a ser respeitada como entidade independente”. “É fundamental combater a tentação do poder político de a controlar”, apelou.

O antigo primeiro-ministro defendeu ainda uma melhor remuneração dos dirigentes da administração pública, “muito inferior ao setor privado”, ao contrário do que acontece nas funções menos qualificadas. “O atual leque salarial da função pública, que no passado se apelidava de albanês, é bem reflexo da hipocrisia e cobardia de boa parte da classe política portuguesa”, referiu.

Cavaco Silva considerou ainda que, “se houvesse a racionalidade e espírito de compromisso que ultrapassasse ciclos eleitorais”, a reforma das finanças públicas seria “tema de debate na próxima legislatura” e defendeu que o saldo orçamental equilibrado já nem deveria ser assunto de discussão. “No curto prazo esse consenso político entre as principais forças partidárias encontra-se afastado dado o elevado nível de crispação reinante”, considerou.

Além da crispação política, Cavaco Silva considerou que existe no país “uma crispação social palpável nas greves e no descontentamento de tantos setores”. “O saldo das contas públicas tal como o das contas externas não é objeto da política económica em si próprio (…) Não faz qualquer sentido que o saldo das contas públicas continue a ser um tema dominante da política orçamental portuguesa”, referiu.

Na apresentação do livro de Joaquim Sarmento esteve também o presidente do PSD, Rui Rio, os ex-ministros das Finanças Maria Luís Albuquerque e Eduardo Catroga e da Saúde Paulo Macedo e Leonor Beleza.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Governo

Como impedir o "bingo da trafulhice"? /premium

Luís Rosa
238

Podemos mesmo confiar em políticos que não quiseram defender a transparência e querem agora construir às três pancadas' uma lei para evitar novos familygate? Só pode ser uma receita para o desastre.

Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)