Uma mulher de 52 anos de nacionalidade tailandesa foi detida esta sexta-feira pela Polícia Judiciária (PJ), através da Diretoria do Norte, por suspeitas de estar envolvida no homicídio de uma mulher descoberto depois de o “aparecimento de uma cabeça humana no areal da praia de Leça da Palmeira, em Matosinhos”, no início de março. Um homem, marido da detida e suspeito de coautoria do crime, terá saído de Portugal, confirmou fonte da PJ ao Observador, que apenas adiantou que o suspeito é asiático.

Após intensas diligências de investigação que possibilitaram a identificação da vítima, foi possível recolher elementos que conduziram à detenção de uma cidadã estrangeira”, lê-se no comunicado.

A mulher era proprietária de uma casa de massagens, em Matosinhos, e a vítima era sua empregada. Segundo confirmou a PJ no comunicado, a tailandesa devia algum dinheiro à vítima, que “insistia em ver saldada”. Este terá sido, no entender da investigação, o móbil do crime. Crime esse que a PJ confirmou ter sido cometido pouco tempo antes de a cabeça ter sido encontrada.

Na origem dos factos, cuja investigação se encontra ainda em desenvolvimento, está a existência de uma dívida da arguida à vítima, que esta insistia em ver saldada“, acrescenta a PJ.

A cabeça foi encontrada em avançado estado de decomposição dentro de um saco de plástico, por um funcionário da Ecorede, a empresa que faz a recolha do lixo naquela praia, junto ao grande contentor do lixo que está no areal. Já no final de março, a PJ conseguiu identificar que a cabeça era de uma mulher de nacionalidade estrangeira. O resto do corpo da mulher ainda não foi localizado, nem há informações de como a vítima foi decapitada.

Leça da Palmeira. Cabeça encontrada na praia é de uma mulher estrangeira, e terá sido vítima de crime passional

A mulher detida não tinha antecedentes criminais e está neste momento a ser ouvida no Tribunal de Instrução Criminal de Matosinhos, para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas. É suspeita da prática de um crime de homicídio qualificado e profanação de cadáver.