As autoridades russas querem apurar se o hacker Rui Pinto está envolvido em casos que estejam a ser investigados na Rússia. Se estiver, isso poderá levar o país a avançar com processos judiciais contra o jovem, nos quais poderá ser constituído arguido , avança o jornal Público.

A carta rogatória russa sobre este assunto chegou no mês passado à Procuradoria-Geral da República, apurou a Rádio Renascença junto do Ministério Público. Ao contrário da Rússia, países como França, Bélgica e Holanda estão interessados em colaborar com o pirata informático português.

Rui Pinto está em prisão preventiva desde 23 de março, porque a juíza de instrução criminal Maria Antónia Andrade considerou que havia perigo de continuação da atividade criminosa, perturbação do inquérito e de fuga. O advogado de Rui Pinto, Francisco Teixeira da Mota, disse ao Público que recorreu da medida de coação e entregou o recurso a 8 de abril. Agora, o Ministério Público tem duas semanas para responder e depois vai ser o Tribunal da Relação a tomar uma decisão.