Rádio Observador

Migrantes

Migrantes de navio Alan Kurdi podem chegar a Portugal dentro de “duas semanas a um mês”

607

Portugal vai acolher dez dos 64 migrantes do navio humanitário Alan Kurdi. Ministro da Administração Interna estima que cheguem dentro de "duas semanas a um mês".

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, estimou este sábado que os dez migrantes que Portugal se disponibilizou a acolher dos 64 resgatados pelo navio humanitário Alan Kurdi possam chegar ao país dentro de “duas semanas a um mês”. À margem da V Cimeira Portugal-Cabo Verde, que se realizou em Lisboa, Eduardo Cabrita foi questionado sobre a disponibilidade manifestada por Portugal para acolher alguns dos migrantes do navio que está há mais de uma semana ao largo de Malta.

“Esta é mais uma participação de Portugal numa solução ‘ad hoc‘ relativamente a situações de embarcações no Mediterrâneo à deriva. Portugal mais uma vez participa no que temos designado por coligações da boa vontade, neste caso com Alemanha, França e Luxemburgo”, realçou o ministro.

Eduardo Cabrita recordou que, desde o verão passado, “a posição portuguesa tem sido a de participar em todas estas situações excecionais”. “Isso tem marcado a nossa abordagem da questão migratória, mas dizendo sempre que esta não é a forma de resolver esta situação”, afirmou, acrescentando que Portugal considera ser necessária “uma solução permanente à escala europeia” em articulação com a Comissão Europeia.

Questionado quando poderão chegar estes novos migrantes a Portugal, o ministro da Administração Interna referiu que se repetirá o procedimento utilizado anteriormente. “Há a deslocação de uma equipa do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ao local, que participa com a Comissão Europeia e a Agência Europeia de Asilo na triagem das pessoas, normalmente demora entre duas semanas a um mês”, afirmou.

Num comunicado emitido na manhã deste sábado, o Ministério da Administração Interna (MAI) adiantava ter já transmitido ao Governo de Malta esta sua intenção de acolher até dez migrantes. Esta não é a primeira vez que Portugal acolhe migrantes, tendo o mesmo sucedido com pessoas resgatadas pelos navios Lifeline, Aquarius I, Diciotti, Aquarius II, Sea Watch III e outras pequenas embarcações, num total de 106 pessoas, durante 2018 e já este ano.

O anúncio de que Portugal e outros três países da UE iriam acolher os migrantes a bordo do Alan Kurdi foi feito por Malta que, para o efeito, autorizou o desembarque destas pessoas nos seus portos, mas transportados por navios malteses. O barco, da organização humanitária alemã Sea-Eye, esteve vários dias retido no mar Mediterrâneo, sem porto onde atracar, depois de tanto a Itália como Malta terem recusado a entrada dos 64 migrantes — 50 homens, 12 mulheres e 2 crianças.

A justificar esta recusa as autoridades maltesas alegaram que a atividade dos navios humanitários na Líbia encoraja os traficantes de seres humanos. Durante estes dias, a organização humanitária fez vários pedidos a Malta e a Itália para autorizarem o desembarque, até porque o barco se encontrava sem comida nem água, mas nenhum dos países deu autorização, tendo as autoridades italianas impedido até a aproximação à ilha de Lampedusa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)