“Meu Deus, eu fico sem palavras”. Foram estas as palavras de Filipe Sousa, o presidente do concelho de Santa Cruz, na ilha da Madeira, pouco depois de se saber que o número de vítimas mortais tinha ultrapassado as duas dezenas. Um autocarro com mais de 50 turistas alemães despistou-se na zona de Caniço ao final da tarde desta quarta-feira e acabou por cair em cima de uma casa. Foi aberto um inquérito para apurar circunstâncias. O que já se sabe e o que falta saber sobre o acidente de autocarro na Madeira.

O que se sabe

A hora e o local do acidente: Por volta das 18h30, um autocarro que circulava na curva da Estrada da Ponta da Oliveira e a Rua Alberto Teixeira, na zona de Caniço, em Santa Cruz, despistou-se e caiu em cima de uma habitação.

Que autocarro era este e para onde ia: O autocarro pertencia à empresa SAM — Sociedade de Automóveis da Madeira, fretado pela Travel One, e transportava 55 passageiros, maioritariamente turistas alemães. O grupo tinha saído do hotel Quinta Splendida e dirigia-se para um restaurante no Livramento, no Funchal, para um jantar tipicamente madeirense.

As vítimas mortais: Até ao momento foram contabilizadas 29 vítimas mortais, tendo uma delas ainda sido transportada para o hospital, mas não resistido aos ferimentos. Tratam-se de 11 homens e 18 mulheres. As vítimas eram todas de nacionalidade alemã e tinham entre os 40 e os 60 anos.

[As imagens do acidente que vitimou 29 turistas alemães na Madeira]

Os feridos: Há também 27 feridos, confirmou Pedro Freitas, diretor adjunto da direção clínica do hospital Doutor Nélio Mendonça, no Funchal. Entre estes feridos estão dois portugueses: a guia turística e o motorista da viatura. Não há crianças entre os feridos e todos foram transportados para o Hospital Doutor Nélio Mendonça.

Nove turistas alemães que ficaram feridos já tiveram alta hospitalar. Cinco vítimas — entre as quais os dois únicos portugueses que ficaram feridos (o motorista e a guia turística) — foram submetidas a intervenção cirúrgica. Esta quinta-feira, mais outro ferido foi também operado. Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, nenhum dos feridos corre neste momento perigo de vida, estando a sua evolução a ser favorável.

Contornos do acidente: Há muitos detalhes que continuam por explicar mas já começam a ser conhecidos alguns dos contornos deste acidente. Na noite desta quinta-feira, em entrevista ao Telejornal da RTP Madeira, o Coordenador do Serviço de Emergência Médica da região revelou que a maioria das vítimas saiu projetada do autocarro.

“Apenas cinco pessoas, contando com o motorista, estavam no autocarro [quando as equipas chegaram ao local]”, explicou António Brasão. “Todas as outras pessoas estavam do lado de fora: ou seja, foram projetadas. Penso que não levavam os cintos de segurança“, concluiu.

O dono da casa onde caiu o autocarro: É um homem entre os 50 e os 60 anos que não se encontrava na casa à hora do acidente. O morador estava em casa de familiares por precisar de cuidados de saúde e já foi contactado pelos serviços municipais e a PSP — bem como os seus familiares —, confirmou o presidente de Santa Cruz ao Observador.

Ministério Público abre inquérito: O Ministério Público (MP) determinou a abertura de um inquérito na sequência do acidente, disse à agência Lusa a magistrada do MP coordenadora da Comarca da Madeira. “O MP já tomou todas as medidas que legalmente tem de tomar. Já foi ordenada a abertura de um inquérito e a realização de todas as diligências necessárias à recolha de prova”, afirmou Maria de Lurdes Correia.

Segundo Maria de Lurdes Correia, o MP pediu ainda “apoio à Polícia Judiciária para a identificação dos corpos em colaboração com o Gabinete Médico-Legal e Forense do Funchal”.

Linhas de apoio: Depois do acidente, foram criadas três linhas de apoio: 291 705 659 / 291 705  778 / 291 705 679. O serviço hospitalar acionou também um plano de emergência que permitiu um gabinete de apoio na consulta externa num local próximo do serviço de urgências. O serviço de saúde apelou à população para recorrer ao serviço de urgência apenas em serviços urgentes ou emergentes.

Força Aérea tem três aviões prontos a descolar: A Força Aérea Portuguesa tem três aeronaves prontas a descolar para a Madeira, caso sejam ativadas. “A Força Aérea preparou já dois Falcon 50 e um C-295M, bem como equipas médicas, para prestar auxílio às vítimas da tragédia na Madeira, no caso destas necessitarem de transporte urgente para o continente”, escreveu a Força Aérea no Twitter.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, adiou a sua deslocação à Madeira para dar prioridade ao transporte aéreo de feridos. Em declarações no exterior do Palácio de Belém, em Lisboa, em direto para o Telejornal da RTP, o chefe de Estado disse que era sua intenção viajar de imediato para o Funchal, num avião da Força Aérea Portuguesa, “mas surgiu uma prioridade” que o levou a adiar a deslocação.

“Eu fui muito sensível a essa prioridade, que é a necessidade de os aviões, nomeadamente o avião que ia utilizar da Força Aérea Portuguesa, poder ser utilizado para transportar feridos. E sendo necessários os dois, isso tem prioridade. É muito mais importante haver o acorrer aos feridos do que o Presidente partir hoje”, justificou. “Portanto, irei, mas não irei imediatamente, porque há essa prioridade”, acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

No entanto, Pedro Freitas, em declarações à TSF, disse que não há necessidade de transferir feridos de hospitais do Funchal para Portugal Continental.

Operações já terminaram: As operações no local do acidente terminaram por volta das 6h00 da manhã desta quinta-feira, de acordo com informação avançada pela SIC Notícias. O autocarro foi retirado já depois das 5h00 da madrugada.

Apoio psicológico: Desde o momento em que se deu o acidente, as autoridades disponibilizaram uma equipa de psicólogos para acompanhar os familiares e amigos das vítimas que seguiam num outro autocarro turístico com o mesmo destino. O apoio psicológico está também a ser dado a uma família que estava perto do local e viu todo o acidente.

O que falta saber

As circunstâncias do acidente: Embora se suspeite que as causas do acidente estarão num problema mecânico, mais concretamente com os travões do autocarro, nenhuma informação relativa às causas que provocaram o acidente foi ainda confirmada. O vice-presidente do Governo Regional da Madeira garantiu, entretanto, que o autocarro turístico tinha cinco anos e “estava devidamente inspecionado”.

Pedro Calado lembrou também que “os acidentes podem acontecer e acontecem”. “O facto de ter havido aqui um acidente é de lamentar, é de lamentar todas as vitimas, mas onde há uma estrada, há um automóvel, e onde há uma estrada e um automóvel pode haver um acidente”, referiu.

A empresa proprietária do autocarro acidentado manifestou também “profundo empenho” para que se apurem todos “os factos, causas e responsabilidades” e disponibilidade para colaborar com as autoridades. Num comunicado enviado à agência Lusa, a SAM – Sociedade de Automóveis da Madeira, proprietária do autocarro que foi fretado pela Travel One, apresenta as “mais sentidas condolências, a todos os familiares e amigos das vítimas do mesmo”.

“É nossa vontade e profundo empenho que se obtenha o absoluto apuramento de todos os factos, causas e responsabilidades do acidente e, desde já, manifestamos que daremos inteira colaboração às autoridades encarregues das investigações que se vão seguir”, afirma.

O autocarro e o motorista: O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, garantiu que o autocarro turístico tinha cinco anos e “estava devidamente inspecionado”. No entanto, o Diário da Notícia da Madeira escreve esta quinta-feira que o veículo tinha seis anos e que o motorista era experiente — ficando sem se saber ao certo a idade do autocarro.

A identidade das vítimas: Apesar de se saber que as vítimas mortais são de nacionalidade alemã, bem como grande parte dos feridos, ainda não se sabe quem são estas vítimas, nem a sua história.

Transporte das vítimas mortais: Ainda não há informação de quando é que os corpos vão poder ser trasladados para a Alemanha, uma vez que ainda está a ser feita a respetiva identificação. Como o Ministério Público abriu um inquérito às causas do acidente, terá também que autorizar esta trasladação.

O serviço de medicina legal responsável pela identificação dos corpos espera conseguir iniciar os processos de entrega dos corpos às famílias até este sábado. Uma equipa médico-legista chegou na madrugada desta quinta-feira, de Portugal continental, para reforçar os serviços no Funchal. Também as autoridades alemãs já começaram a trabalhar diretamente com os portugueses para que todo este processo seja o mais célere possível, acrescentou Augusto Santos Silva.