Rádio Observador

Futebol

Marco Silva entrou para a história do Everton e Solskjaer pediu desculpa aos adeptos

255

O Everton de Marco Silva conseguiu a maior vitória dos últimos 35 anos frente ao Manchester United e subiu ao sétimo lugar. Já Solskjaer pediu desculpa aos adeptos dos "red devils".

Antes da meia-hora, o Everton já vencia por dois golos de diferença

AFP/Getty Images

Não foi propriamente uma novidade. O Everton de Marco Silva já tinha provado o seu poderio em casa e a forma como Goodison Park eleva a equipa: afinal, na segunda volta da Premier League, os toffees venceram o Chelsea e o Arsenal e empataram com o Liverpool, atual líder da Liga inglesa. O Manchester United estava avisado. A única novidade da tarde de domingo de Páscoa foi mesmo o avolumar dos números no marcador.

O Everton goleou em casa o Manchester United por 4-0, naquela que é a maior vitória dos últimos 35 anos que a equipa de Liverpool impôs aos red devils (em 1984 venceram por 5-0). O brasileiro Richarlison, figura maior do Everton esta temporada e jóquer de Marco Silva — o avançado foi treinador pelo português no Watford e a transferência foi um pedido pessoal do técnico –, inaugurou o marcador ainda dentro do primeiro quarto de hora (13′) e o islandês Sigurdsson aumentou a vantagem ainda antes do intervalo (28′). Já na segunda parte, Lucas Digne fez o terceiro (56′) e Theo Walcott, ala ex-Arsenal que tinha entretanto entrado para o lugar de Richarlison, marcou o quarto e último golo do Everton.

A equipa de Marco Silva, que hoje não pôde contar com André Gomes devido a castigo (do lado do Manchester United, Diogo Dalot jogou os 90 minutos), aproveitou assim os empates do Leicester e do Wolverhampton de Nuno Espírito Santo e subiu ao sétimo lugar da Premier League, logo após os big six ingleses. Já o Manchester United somou a sexta derrota nos últimos oito jogos para todas as competições e não conseguiu levantar a cabeça depois da eliminação inequívoca nos quartos de final da Liga dos Campeões a meio da semana, perante o Barcelona. Com a goleada em Goodison Park, os red devils estão agora mais longe do quarto lugar — o último que dá acesso à Champions — e podem ver o Arsenal fugir ainda mais caso os gunners vençam ainda este domingo o Crystal Palace.

No final do jogo, Solskjaer pediu desculpa aos adeptos do Manchester United

Numa altura em que os jornais espanhóis fazem capas, reportagens, manchetes e notícias atrás de notícias sobre a vontade de Paul Pogba de se juntar ao compatriota Zidane no Real Madrid, a imprensa inglesa começa já a falar num eventual conflito entre o médio francês e Solskjaer. Olhando para a última vez que Pogba teve problemas com um treinador — José Mourinho –, o mais provável é que o atual diferendo termine com a saída de uma das partes: Mourinho saiu, Pogba ficou; Solskjaer assinou contrato há pouco tempo, Pogba deve sair no mercado de verão.

No final da partida em Goodison Park, a verdade é que Solskjaer se dirigiu aos adeptos que tinham viajado desde Manchester até Liverpool e pediu desculpa, como que a assumir a responsabilidade pela derrota pesada. Em Inglaterra, e apesar dos pedidos de desculpas, a opinião do Telegraph é destruidora: o melhor a retirar da goleada sofrida às mãos do Everton é que afasta o Manchester United da Liga dos Campeões, logo, “a humilhação de terça-feira com o Barcelona não se repetirá na próxima temporada”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)