Rádio Observador

Liga dos Campeões

Os beijos de Messi para a capa da France Football (ou como o argentino “atropelou” o United)

France Football recriou na capa desta semana o beijo de Brejnev e Honecker com a pergunta "És Messi ou Ronaldo?". O argentino deu a sua resposta em versão dupla e o Barcelona venceu o United (3-0).

Lionel Messi não marcava nos quartos da Liga dos Campeões desde 2013; seis anos depois, voltou aos golos em dose dupla

AFP/Getty Images

“És Messi ou Ronaldo?”. A pergunta andou a ser feita durante uma década a fio quando chegava a altura de escolher o Bola de Ouro e, mesmo nos pequenos parênteses onde houve “intrusos” pelo meio (exemplo paradigmático foi 2010, com Xavi e Iniesta), a resposta saiu sempre a favor do português e do argentino. De forma mais rigorosa, cinco respostas para o português, cinco para o argentino. Esta semana, a France Football, que se tornou alvo de muitas críticas depois da escolha de Luka Modric como melhor jogador de 2018, recuperou essa pergunta acompanhada por uma ilustração dos dois atuais extraterrestres do futebol mundial recriando o célebre beijo entre Leonidas Brejnev e Erich Honecker, em 1979. Messi deu a sua resposta.

Ao mesmo tempo que Ronaldo marcava antes do descalabro da Juventus em Turim frente ao Ajax que valeu a eliminação dos italianos nos quartos da Champions, o argentino voltava a dar um verdadeiro recital de bola em Camp Nou na Champions, como já tinha acontecido na eliminatória anterior quando marcou dois golos e fez duas assistências frente ao Lyon (5-1). E se é certo que o Manchester United até começou com uma bola na trave por Rashford logo a abrir, além de um outro remate de Pogba que poderia ter levado perigo, o número 10 quase sentenciou a eliminatória em menos de cinco minutos.

Pouco depois do primeiro quarto de hora, Messi teve a primeira jogada de génio que valeu o 1-0, fintando Ashley Young e passando a bola por entre as pernas de Fred na diagonal até à entrada da área onde rematou colocado ao ângulo inferior da baliza de David De Gea (16′). Mais uns minutos, mais um golo, desta vez com muitas culpas para o internacional espanhol: bola ganha em terrenos avançados, tentativa de pé direito a sair à figura do guarda-redes mas erro do número 1 a valer o 2-0 (20′).

O Barcelona, que não perde agora há 31 jogos em casa para as competições europeias, tinha a eliminatória mais do que segura mas nem por isso o argentino abrandou o show na Catalunha, ao ponto de alguns comentadores ingleses “gozarem” mesmo com as dificuldades que os defesas do Manchester United estavam a enfrentar perante a exibição inspirada do argentino. “Já fintou tantas vezes o Phil Jones que a ligadura que ele tem na cabeça está a cair”, atirou Gary Lineker, antigo avançado inglês que se notabilizou no Leicester e no Everton antes de representar os blaugrana entre 1986 e 1989.

No segundo tempo, e deitando por terra qualquer aspiração dos comandados de Solskjäer imitarem o feito do seu treinador e conseguirem uma reviravolta nos descontos, Coutinho fez o melhor golo da noite num remate de fora da área e sentenciou o 3-0 final (61′), confirmado nos últimos minutos com duas intervenções monstruosas de Ter Stegen.

“Foi espetacular, esta é a nossa equipa. Tivemos uma entrada mais fria e nervosa nos primeiros cinco minutos mas conseguimos depois assumir o controlo do jogo. Não podemos entrar assim em nenhum encontro da Liga dos Campeões. Temos deter consciência disso, sobretudo depois da experiência que tivemos no ano passado em Roma. Golos? O primeiro tive a sorte de conseguir um remate que me saiu bem, no segundo… tive um pouco mais de sorte. Adversário nas meias? A derrota da Juventus diz tudo, Liverpool ou FC Porto, qualquer que seja, vai ser muito complicado”, comentou Messi no final.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)