Rádio Observador

Horário de Trabalho

Petição que pede fecho dos centros comerciais aos domingos já tem 45 mil apoiantes

4.252

O assunto é antigo mas ganhou novo fôlego depois das declarações do bispo do Porto no domingo de Páscoa, a defender o fim do trabalho aos domingos.

A petição já tem 45 mil apoiantes e é dirigida ao presidente da Assembleia da República

AFP/Getty Images

Foi criada uma petição online que já conta com 45 mil assinaturas para exigir, novamente, o fecho dos centros comerciais e dos supermercados aos domingos, avança o Jornal de Notícias na edição impressa desta quarta-feira. O assunto voltou a ser discutido depois de o bispo do Porto, D. Manuel Linda, ter dito na missa de Páscoa que o trabalho ao domingo e o sistema de turnos é o ‘’novo esclavagismo laboral’’ e que acaba com ‘’a herança cristã’’.

A Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED) já respondeu à mensagem transmitida pelo bispo, dizendo que ‘’a liberalização dos horários importa a todos os setores’’ e que ‘’tem como base a proximidade, a conveniência e a diversidade da oferta, indo ao encontro das expectativas dos consumidores’’. Há 12 anos, a APED entregou uma petição com 250 mil assinaturas para a abertura das grandes superfícies nas tardes de domingo e feriados (depois de estas terem sido encerradas) e assim têm estado a funcionar desde 2010.

A Associação Portuguesa de Centros Comerciais está no mesmo lado e afirma que a abertura das grandes superfícies aos domingos é ‘’uma decisão compatível com as reais necessidades dos consumidores’’.

A petição é dirigida ao presidente da Assembleia da República e afirma que ”o tempo em família é cada vez mais escasso e o único dia que está destinado para ela, acaba por ser passado de forma pouco saudável, de forma fechada”, em centros comerciais.

Fomos educados e habituados a ter grandes superfícies abertas 7 dias por semana, mas esta é uma medida interesseira e nada civilizada […] O encerramento dos shoppings ao domingo afecta a nossa qualidade de vida? A resposta é SIM! Para melhor, para muito melhor”, defende.

A petição foi feita por um ex-emigrante português que viveu em França. ”Durante o tempo que vivi lá fora, Lyon segunda maior cidade de França, […] percebi que quando dizemos que lá fora é que há ‘qualidade de vida’, na maioria das vezes estamos enganados em relação aos motivos que causam essa qualidade. Eles dão mais importância aos piqueniques no parque, no lago, aos passeios pelo centro histórico, ao gelado na esplanada, ao passeio de bicicleta à beira rio… todas aquelas imagens bonitas que por vezes vemos em filmes.”, escreveu na petição.

Na secção de comentários da página petições do Facebook podem ler-se muitas posições a favor. ”Concordo plenamente que fechem aos domingos e feriados porque os pais não têm tempo para estarem com os filhos”, disse Beatriz Maia Fevereiro. Outro antigo emigrante português, José Silva, conta que viveu muitos anos na Alemanha e que ”os centros comerciais fechavam à tarde de sábado e abriam na segunda-feira. Toda a gente vivia o fim de semana com a família” e em Portugal diz que se recusa ir às compras ao domingo ”para não ser cúmplice do sistema em vigor”.

Mas também há quem se mostre contra aquilo que a petição defende, como José Brandão da Silva que diz reivindicar o fecho das grandes superfícies é ”uma coisa terceiro mundista”. ”Que venha o primeiro e que diga que nunca foi a um centro comercial a um domingo”. Carlos Miguel trabalha num supermercado e diz que ”o povo português nunca está contente com nada”. ”Médicos, enfermeiros, polícia, padres, coveiros, empregados de centro de dia etc…. todos estes trabalham muitas vezes domingos e dias santos!!! Vamos fechar todos estes locais também ao domingo?? Trabalho num supermercado, todos os domingos do ano exceto quando estou de férias e não abdico de os trabalhar…”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: imartins@observador.pt
Igualdade

E os direitos da "senhora lá de casa"?

Maria d'Oliveira Martins
310

É frequente negar a dignidade às prestadoras do serviço doméstico. Todos nos recordamos das expressões “a senhora cá de casa” de Judite de Sousa ou “a senhora que vem ajudar” de Francisco Louçã.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)