Rádio Observador

Páscoa

Bispo do Porto apela ao fim do trabalho ao domingo

2.712

O bispo D. Manuel Linda criticou, na missa de Páscoa, o atual sistema laboral, defendendo o fim do trabalho ao domingo, censurando a abertura dos supermercados e dos centros comerciais nesse dia.

Estas situações são sinais de uma “civilização fria, sem alma, individualista”, disse o bispo

LUSA

O bispo do Porto, D. Manuel Linda, defendeu o fim do trabalho ao domingo em defesa da vida familiar, advertindo para os “graves transtornos psicológicos do trabalhador e do fracionamento dos encontros familiares”. Segundo o site Ecclesia, o bispo, na homília da missa da Páscoa, na Sé do Porto, categorizou o trabalho ao domingo e o sistema de turnos como “novo esclavagismo laboral, legalmente imposta pelos novos senhores do mundo que dominam a economia e, por esta, os governos.”

O mesmo se diga da abertura dos supermercados e dos centros comerciais ao domingo, expressão de um certo subdesenvolvimento humano e mesmo económico. Os países mais ricos não abrem supermercados ao domingo”, advertiu.

Para D. Manuel Linda, que aludiu à “morte do domingo” todas estas situações são sinais de uma “civilização fria, sem alma, individualista”, muitas vezes “de base materialista e hedonista, perdendo as marcas da herança cristã e da “cultura ocidental humanista”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto
249

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
357

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)