Bioética

Cientistas querem clonar potro pré-histórico de linhagem extinta encontrado na Sibéria

122

Investigadores querem clonar um potro pré-histórico de onde foi recolhido sangue líquido. Trabalham com um cientista que mentiu sobre clonar células humanas. E que também quer clonar um mamute lanoso.

Os restos mortais do potro de onde foi recolhida uma amostra de sangue no estado líquido -- a segunda do mundo, mas a mais antiga

Semyon Grigoryev/North-Eastern Federal University

Uma equipa de investigadores russos e sul-coreanos está a tentar clonar o potro de onde foi recolhida uma amostra de sangue em estado líquido — a mais antiga do mundo. O animal estava enterrado no gelo da Sibéria quando foi encontrado por um grupo de caçadores em busca de dentes de mamutes na cratera de Batagaika. Agora, os cientistas tencionam extrair células viáveis dessa amostra, a mais antiga do mundo, para clonar o animal, que pertence a uma linhagem já extinta.

Segundo o Siberian Times, o grupo de cientistas está agora focado em extrair células dessas amostras para conseguir clonar a espécie a que o potro pertence — uma linhagem chamada Lenskaya de que já não existe nenhum exemplar vivo. Até agora foram feitas 20 tentativas de encontrar essas células, mas nenhum resultou. Ainda assim, a equipa diz-se “confiante no sucesso” da experiência. Tanto que já está à procura de uma égua que possa gerar e parir o clone deste potro.

Mas os cientistas sul-coreanos que estão a a tentar recolher células do potro para o clonar são os mesmos que estão envolvidos na clonagem de um mamute lanoso, a última espécie deste animal a conseguir viver nas regiões mais ao norte do planeta. Trabalham na Sooam Biotech, uma controversa fundação de investigação sul-coreana gerida por Hwang Woo-suk, o cientista que em 2004 disse ter clonado células estaminais embrionárias humanas — algo que se veio a revelar mentira.

Semyon Grigoriev, que lidera os cientistas russos, torce o nariz aos planos da Sooam Biotech de cultivar células retiradas do sangue do potro. Em entrevista à CNN, o cientista explicou que “a preservação do sangue é absolutamente inútil para fins de clonagem, uma vez que as principais células do sangue não têm núcleos com ADN”. Ainda assim, confirmou que os investigadores estão a “tentar encontrar células intactas no tecido muscular e órgãos internos”.

É que o os órgãos do potro estão “incrivelmente preservados”.

Podemos agora afirmar que este é o animal da Idade do Gelo mais bem preservado jamais encontrado no mundo. Ter pelo preservado é outro marco do ponto de vista científico, já que todos os cavalos pré-históricos encontrados anteriormente não o tinham”, justificou o cientista.

No momento da morte, o potro era um recém-nascido com não mais do que duas semanas de vida. “Um monte de lama e sedimentos que o potro engoliu durante os últimos segundos de sua vida foram encontrados dentro do seu trato gastrointestinal. Tal como em casos anteriores de restos realmente bem preservados de animais pré-históricos, a causa da morte foi afogamento em lama, que depois congelou”, descreveu Semyon Grigoryev.

O facto de o potro ter ficado fossilizado debaixo do solo rochoso permanentemente congelado da Sibéria permitiu que os cientistas tivessem encontrado sangue em estado líquido e urina no cadáver. As análises que têm sido feitas já permitiram até desvendar que a cria tinha uma cauda e uma crina pretas, mas que o resto do corpo tinha uma pelugem clara. E a autópsia provou que os músculos do animal continuam avermelhados.

Esta foi apenas a segunda vez que os cientistas conseguiram sangue líquido dos restos mortais de um animal pré-histórico. A primeira foi em 2013, quando um grupo de cientistas russos encontrou sangue em estado líquido nos restos de um mamute lanoso encontrado por Semyon Grigoryev — o mesmo cientista que agora está envolvido nas investigações acerca do potro. Essa amostra retirada do mamute, no entanto, tem menos 27 mil anos que o sangue encontrado nesta cria.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto
2.418

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Eutanásia

Uma crise mor(t)al

Miguel Alvim

O PS corre atrás do poder numa questão armadilhada à partida pelo veneno niilista e verdadeiramente mortal do movimento Direito a Morrer com Dignidade e do Bloco de Esquerda. 

Medicina

Daniel Serrão, um homem para todas as estações

Walter Osswald
1.375

Daniel Serrão soube sempre intervir e argumentar, falando a linguagem da razão esclarecida e responsável, respeitosa e tolerante, a linguagem de quem quer ajudar o outro a ser mais feliz e mais justo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)