Rádio Observador

Conflito na Ucrânia

Ucrânia. Presidente eleito oferece cidadania aos russos que queiram fugir de Putin

151

O presidente russo promete dar passaportes aos separatistas ucranianos. O recém eleito presidente ucraniano recusa e oferece cidadania ucraniana aos russos que "sofrem sob regimes autoritários".

TATYANA ZENKOVICH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente eleito da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse este domingo que os ucranianos rejeitarão a oferta do homólogo russo, Vladimir Putin, de lhes conceder cidadania russa, e propôs por seu lado passaportes ucranianos para russos que sofrem do autoritarismo de Putin.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou no sábado que pretende facilitar a obtenção de cidadania russa a todos os ucranianos, depois de ter feito alguns dias antes a mesma oferta para os habitantes das regiões separatistas da Ucrânia oriental. Já em mensagem no sábado à noite através da rede social Facebook, Zelensky afirmou que pretende acordar dar “cidadania ucraniana a pessoas de todas as nações que sofrem sob regimes autoritários e corruptos”, desde logo os russos, que “sofrem mais do que todos”.

Zelensky, um comediante, foi eleito para a presidência ucraniana na semana passada e tomará posse no início de junho. O político enfatizou ainda que, ao contrário do que está a acontecer na Rússia, os ucranianos “têm liberdade de expressão e os meios de comunicação e internet são livres”.

Zelensky prometeu “relançar” as negociações com as regiões que se autoproclamaram independentes em 2014 e que a quem Kiev e o Ocidente acusam a Rússia de dar apoio militar – o que Moscovo nega. Também na sua mensagem no Facebook, Zelensky instou Moscovo a não usar com a Ucrânia “a linguagem das ameaças ou das pressões militares ou económicas”.

A União Europeia condenou imediatamente a primeira oferta Putin de dar passaportes russos aos habitantes das regiões separatistas, acusando o presidente russo de tentar “desestabilizar” a Ucrânia, neste período de transição presidencial.

O Presidente eleito da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, tinha anunciado como uma das prioridades para o seu mandato acabar com a guerra com a Rússia, que já matou mais de 15 mil pessoas. Na campanha eleitoral Zelensky não foi tão belicoso como era Poroshenko, relativamente à Rússia, e falou por várias vezes na intenção de encontrar uma solução pacífica para a zona de controlo separatista.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)