PS

Deputada do PS consegue 276 mil euros de fundos europeus para empresa do pai

20.829

Só podiam candidatar-se ao fundo da UE projetos ainda em construção. Não era o caso mas a deputada socialista Hortense Martins tentou à mesma. Viu aprovados dois subsídios para a empresa do pai.

Hortense Martins é líder do PS de Castelo Branco e mulher do atual presidente da câmara, Luís Correia

116754

Os casos remontam a 2010 e 2013 e envolvem Hortense Martins, deputada líder do PS – Castelo Branco e membro da Comissão Política Nacional do Partido; a Investel, uma empresa do pai da socialista, de que ela própria era gerente à data, e proprietária da Herdade do Regato; a Adraces, uma associação de desenvolvimento regional de que era diretor-executivo António Realinho, um economista desde 2018 a cumprir uma pena de quatro anos e meio de prisão por burla e falsificação; e o então presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Joaquim Mourão, que na altura tinha como vereador Luís Correia — que hoje lhe ocupa o cargo e é casado (como já era à época) com Hortense Martins.

A notícia, avançada esta segunda-feira pelo Público, revela os procedimentos que terão levado, primeiro em 2010, depois em 2013, à atribuição de dois fundos comunitários do ProDer (Programa de Desenvolvimento Rural), no valor de 171 mil euros e de 105 mil euros, à Investel. O dinheiro destinava-se à construção de um “Centro de Lazer e Turismo Gastronómico” e de uma unidade de turismo rural na Herdade do Regato, uma propriedade de 9 hectares em Póvoa de Rio de Moinhos, nos arredores de Castelo Branco.

Detalhe: apesar de a não conclusão dos projetos ser um dos critérios de admissão ao fundo e de os espaços da Investel estarem não só acabados mas até, no primeiro caso, a funcionar há já dois anos, a Adraces, que era quem tinha esse poder, delegado por parte dos órgãos de gestão dos fundos europeus, aprovou as candidaturas.

Ao Público, que revela ainda que as obras da Herdade do Regato terão começado em 2006 e sido licenciadas pela autarquia apenas em julho de 2007, Hortense Martins recusou responder sobre o assunto, remetendo as questões para a empresa, de que já não será gerente desde junho de 2011. Já a atual direção da Adraces justificou a concessão dos subsídios com a possibilidade prevista na lei de financiar “investimentos já executados, mas não concluídos”. De acordo com o Público, na primeira candidatura, em 2010, a deputada do PS explicou efetivamente que o projeto, aberto desde 2008, ainda estava por acabar: faltava o investimento “referente à aquisição de prateleiras e outro material para a zona de bar”.

Hortense Martins já tinha sido notícia há cerca de um mês, depois de o Observador revelar que os deputados da Comissão de Ambiente, em viagem de trabalho à região de Castelo Branco e com uma reunião marcada com o autarca Luís Correia, tinham ficado alojados no Hotel Rainha D. Amélia, de que a Investel — e, por conseguinte, a deputada — também é proprietária.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)