Eleições Europeias

Abstenção desceu em território nacional

611

É a taxa de abstenção mais elevada de sempre em eleições Europeias. Só que uma leitura mais fina mostra que, sem contar com o voto de emigrantes, houve uma inversão pela primeira vez este século.

JOAO RELVAS/LUSA

Os valores de participação nestas eleições são historicamente baixos, mas, se for expurgada a votação de portugueses no estrangeiro, a abstenção desceu ligeiramente face às últimas Europeias. Mesmo em termos percentuais: em território nacional, a abstenção atingiu os 64,68%, face aos 65,34% de 2014. Em termos absolutos, há um aumento de quase 22 mil votos, num cenário em que os cadernos eleitorais perderam 113 mil inscritos em território português.

Só juntando a votação de emigrantes, como se pode verificar no gráfico, é que se atinge um valor recorde este ano para a totalidade dos eleitores: 69,27% (era 68,64% antes de fechados os últimos consulados), acima dos 66,09% das eleições anteriores.

E porque é que importa fazer este ano a distinção? Porque, de uma eleição para a outra, com o novo recenseamento automático, o número de inscritos no estrangeiro engrossou em mais de um milhão e duzentos mil (para um total de 1.431.825 eleitores). Já contados todos os consulados, votaram perto de 14 mil emigrantes, ainda assim mais do triplo das eleições anteriores (cerca de 4.500 votantes).

No total, já contando com os emigrantes, a abstenção atinge o maior registo desde que se realizam eleições para o Parlamento Europeu, em 1987.

Nestas eleições houve ainda uma ligeira queda nos votos em branco (4,25% do total, face aos 4,41% de 2014) e nos votos nulos (2,68%, face aos 3,06% de 2014).

Notícia atualizada com nova taxa de abstenção e contagem final dos consulados

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vroliveira@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Ministério Público

A democratura em roupão e com unhas

José P. Ribeiro de Albuquerque.
451

Sobre as propostas de alteração apresentadas pelo PS e PSD, em sede de apreciação na especialidade, à proposta do Governo que visa aprovar o novo estatuto do Ministério Público.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)