477kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Abstenção desceu em território nacional

Este artigo tem mais de 3 anos

É a taxa de abstenção mais elevada de sempre em eleições Europeias. Só que uma leitura mais fina mostra que, sem contar com o voto de emigrantes, houve uma inversão pela primeira vez este século.

i

JOAO RELVAS/LUSA

JOAO RELVAS/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os valores de participação nestas eleições são historicamente baixos, mas, se for expurgada a votação de portugueses no estrangeiro, a abstenção desceu ligeiramente face às últimas Europeias. Mesmo em termos percentuais: em território nacional, a abstenção atingiu os 64,68%, face aos 65,34% de 2014. Em termos absolutos, há um aumento de quase 22 mil votos, num cenário em que os cadernos eleitorais perderam 113 mil inscritos em território português.

Só juntando a votação de emigrantes, como se pode verificar no gráfico, é que se atinge um valor recorde este ano para a totalidade dos eleitores: 69,27% (era 68,64% antes de fechados os últimos consulados), acima dos 66,09% das eleições anteriores.

E porque é que importa fazer este ano a distinção? Porque, de uma eleição para a outra, com o novo recenseamento automático, o número de inscritos no estrangeiro engrossou em mais de um milhão e duzentos mil (para um total de 1.431.825 eleitores). Já contados todos os consulados, votaram perto de 14 mil emigrantes, ainda assim mais do triplo das eleições anteriores (cerca de 4.500 votantes).

Europeias. Total de recenseados em Portugal subiu para 10,7 milhões

No total, já contando com os emigrantes, a abstenção atinge o maior registo desde que se realizam eleições para o Parlamento Europeu, em 1987.

Nestas eleições houve ainda uma ligeira queda nos votos em branco (4,25% do total, face aos 4,41% de 2014) e nos votos nulos (2,68%, face aos 3,06% de 2014).

Notícia atualizada com nova taxa de abstenção e contagem final dos consulados

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.