Eleições Europeias

Qual foi o único concelho do País onde nem uma pessoa votou PAN? Barrancos, onde mais?

4.675

É um dos vencedores destas eleições europeias, mas em Barrancos, célebre terra dos touros de morte, não teve votos. Previsível? Adivinhe então em que concelho foram 5.258 os eleitores a votar PAN.

NUNO VEIGA/LUSA

Podia ser pergunta de quiz, mas daquelas para prémios baixinhos, tal é a previsibilidade da resposta. Qual foi o único concelho de Portugal onde, nas eleições europeias de 2019, o Pessoas-Animais-Natureza (PAN) não obteve um único voto? Fácil: Barrancos, o bastião do Baixo Alentejo que tanto resistiu à lei nacional que em 2002 viu aprovado um regime de exceção que lhe permite ser a única terra onde o touro ainda pode ser morto na arena.

Considerado um dos grandes vencedores destas eleições, o PAN foi o sexto partido mais votado, alcançando 5,1% dos votos e elegendo o primeiro deputado de sempre para Bruxelas. Mais: não houve distrito no País em que a votação no partido de André Silva não estivesse acima dos 2%. Mas em Barrancos, no distrito de Beja, que até contabilizou 2,97% de votos para o PAN, nem uma pessoa votou no partido.

Para Alda Sabino, proprietária do restaurante Sociedade Recreativa Artística Barranquense, o resultado não é estranho. “Divulgação aqui não houve. É um partido de que em Barrancos pouco ou nada se ouve falar”, explica ao Observador.

Cartazes alusivos ao PAN ou não chegaram sequer a ser colados nas paredes do concelho ou, se foram, já não existem. Em compensação, diz a barranquenha, já há posters alusivos às festas de agosto espalhados por Barrancos e pelas freguesias vizinhas. “Continuamos a ter touros de morte, sim”, esclarece.

Dos 1.325 eleitores registados em Barrancos, só 356 foram votar. 41,9% — 149 pessoas — fizeram a cruz no quadrado do PS, a força política mais votada. De resto, houve votos para PCP-PEV, PPD/PSD, BE, CDS-PP, Basta!, PCTP/MRPP, Aliança, PDR, Livre, PTP e PNR — por esta ordem. Para o PAN, que há quatro anos até tinha conseguido dois votos, nada.

No concelho de Vila Franca de Xira, terra de forcados, o PS foi o partido mais votado, com 35,3% dos votos. Ainda assim, o PAN até teve um resultado melhor do que a nível nacional: foi quinto, com 6,5% dos votos.

Ainda assim ficou longe do concelho onde mais eleitores votaram no partido fundado em 2009: Oeiras.

Ao todo, foram 5.258 as pessoas a votar PAN, o equivalente a 7,9% dos votos, no concelho que é conhecido por organizar uma das maiores feiras dedicadas aos animais do País — onde, no início deste mês, o recorde de adoções terá sido ultrapassado, depois de 18 cães e 36 gatos terem encontrado novos donos.

Carnaxide e Queijas foi a freguesia, de entre as cinco que compõem o concelho, a ter uma maior percentagem de votantes PAN: 9,5%.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
129

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)