A ligação de Jorge Jesus ao Brasil pode ser recente mas não é propriamente de hoje: o técnico português era a principal opção do Vasco da Gama para render Alberto Valentim depois do insucesso no estadual do Rio de Janeiro e esteve também no estádio Independência com Rubens Menin, presidente da MRV Engenharia, e Ricardo Guimarães, diretor executivo da BMG, numa derradeira tentativa do Atlético Mineiro, de Belo Horizonte, para conseguir a sua contratação. Não foi à primeira nem à segunda mas à terceira pode mesmo ser de vez, com o antigo treinador de Benfica e Sporting na calha para assumir o comando do Flamengo, que ficou esta quarta-feira sem treinador depois da saída de Abel Braga.

Agora é mesmo de vez. Jorge Jesus deixa o Al Hilal da Arábia Saudita

“É uma novidade, uma surpresa para mim. Honestamente, estou em Portugal. Não tenho conhecimento de nada. Pelo contrário, estou a falar com alguns clubes. Não tem nada a ver com o clube que estás a falar, no caso o Flamengo. É verdade que também, quando estive no Brasil, sempre foi um futebol, um Campeonato que me apaixonava, mas neste momento não sei nada. O que desejo é que o Abel e o Flamengo consigam ultrapassar os problemas que podem existir agora e que tudo dê certo para o Flamengo”, comentou ao Globoesporte. Ainda assim, vários meios brasileiros assumem essa contratação como muito próxima e falam mesmo em conversações durante a passagem de Marcos Braz e Bruno Spindel pela Europa.

Gabriel Barbosa e Diego Alves comemoram a vitória frente ao Vasco da Gama no Campeonato Carioca (MAURO PIMENTEL/AFP/Getty Images)

Desde que deixou o comando do Al-Hilal, da Arábia Saudita, quando estava na liderança do Campeonato que viria a ser ganho pelo português Rui Vitória no al-Nassr, Jesus tem recebido várias ofertas e sondagens, sendo conhecidas as abordagens feitas por duas seleções e um clube inglês que lutava pela manutenção. Todas essas propostas foram recusadas pelo técnico português, que manifestou sempre o seu desejo de poder continuar a carreira na Europa (de preferência em Portugal). No entanto, de acordo com as publicações brasileiras, está a haver abertura para um possível acordo com o Mengão, um histórico que começou o Campeonato de forma intermitente com dez pontos em seis jogos, a seis do líder Palmeiras de Luiz Felipe Scolari. Abel Braga, que passou por Rio Ave, Famalicão, Belenenses e V. Setúbal no início dos anos 90, saiu esta quarta-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Já tive homens em roda de mim a dizer I love you”. O que Jesus diz sobre a vida na Arábia

“Trabalhei em Portugal e até hoje conheço gente lá. Disseram-me que houve contactos. Liguei, então, para o Rodolfo Landim e para o Bap [Eduardo Baptista] e perguntei-lhes se de facto isso tinha acontecido. Negaram. Voltei às minhas fontes e tive a confirmação de que pessoas do Flamengo tinham estado com o Jesus. Aí, não dá mais, acabou a confiança”, disse Abel Braga ao UOL Esportes, numa ideia que, sem o nome do técnico no meio, voltou a repetir no comunicado de agradecimento: “O que não suporto é traição. Senti-me sem apoio, isolado em certo momento. O que posso afirmar é que o Flamengo é muito maior do que tudo isso. O clube vai brilhar por tudo o que plantou nesses últimos anos, por esse terreno fértil, pela sua grandeza”.

Abel Braga, que passou por Rio Ave, Famalicão, Belenenses e V. Setúbal, saiu por sentir-se traído pelo Flamengo (Buda Mendes/Getty Images)

Já Roberto Landim, presidente do Flamengo, negou qualquer contacto com Jorge Jesus ou qualquer outro treinador, justificando a saída pela contestação crescente que se começava a sentir nos adeptos. “Recebi telefonema ontem de noite, conversei com ele, comentou a decisão após conversar com familiares de pedir demissão. Entendi, é um problema pessoal dele, e vamos dar agora a continuidade ao trabalho, coordenado pelo Marcelo Salles. Ele vai continuar até à Copa América, quando faremos uma avaliação do que vamos fazer. Nestes primeiros quatro jogos será ele, depois vamos reavaliar e provavelmente teremos outro técnico. Não tínhamos conversado com ninguém até agora. É natural que empresários procurem pessoas próximas ao clube, as conversas existem, mas oficialmente não houve nada. Tem de ser comigo e não autorizei nada”, destacou.