Rádio Observador

GNR

GNR afasta e abre processos disciplinares a militares que obrigaram prostituta a fazer continência

3.580

A mulher estava junto a uma estrada quando militares pediram que fizesse continência, através de um megafone. Os dois guardas já foram identificados, alvos de processo disciplinar e transferidos.

Não se sabe onde é que este episódio aconteceu

ARMÉNIO BELO/LUSA

A Guarda Nacional Republicana (GNR) já identificou os dois militares que filmaram o momento em que obrigaram uma prostituta a fazer continência militar, depois de o Correio da Manhã ter avançado a notícia esta quarta-feira. Como consequência, explica a GNR em comunicado, os militares foram alvo de processos disciplinares e vão apenas desempenhar “funções que não implicam o contacto com o cidadão, uma vez que a sua presença na área onde os factos serão investigados é considerada incompatível com o decoro, a disciplina e a boa ordem do serviço”.

Os dois homens dirigem-se à mulher com o megafone incorporado no carro de patrulha, e gritaram: “Continência!”. Quando ela obedeceu, os militares perguntaram: “Como está a correr o trabalho?”, ao que ela responde: “Tudo normal”. O vídeo de 40 segundos estará a circular nas redes sociais, afirma o Correio da Manhã, e não revela o local nem a data em que foi filmado. Termina com os militares a abandonarem o local entre gargalhadas.

Os dois militares em questão, adianta ainda a nota enviada pela GNR, integram o efetivo do Destacamento Territorial de Loulé, subunidade do Comando Territorial de Faro, tendo agora sido transferidos para o Comando da Unidade de Faro para desempenhar as novas funções. Já foram, entretanto, instaurados processos disciplinares contra os dois.

“Vem o Comando da Guarda informar que não se revê, nem tolera a adoção deste tipo de conduta, a qual é contrária aos padrões de atuação dos seus militares e aos princípios fundamentais que norteiam a sua qualidade de agentes de força pública e órgãos de polícia criminal”, referiu a GNR num primeiro comunicado, quando ainda não tinham identificado os autores do vídeo em questão.

Tal comportamento cívico desvia-se de uma atuação que se exige, em todas as circunstâncias, íntegra e profissionalmente competente, razão pela qual a Guarda, desde que teve conhecimento deste episódio, vem desencadeando um conjunto de diligências tendentes à localização espacial e temporal da ocorrência, bem como à identificação dos possíveis autores, para apuramento das responsabilidades”, acrescentou ainda a primeira nota enviada pela GNR.

A GNR afirmou ainda num primeiro comunicado que “continuará a pugnar pela erradicação deste tipo de atos, embora consciente de que se trata de um caso isolado e, por isso, não representativo dos cerca de 23 000 mulheres e homens que, diariamente, fazem da GNR uma Instituição prestigiada, de referência e em quem os Portugueses continuam a confiar”. A identidade da mulher abordada por eles permanece desconhecida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)