Rádio Observador

Arte

Museu Gulbenkian exibe 130 novas obras e destaca artistas mulheres

214

O Museu Calouste Gulbenkian - Coleção Moderna, em Lisboa, exibe 130 novas obras na exposição permanente, incluindo peças inéditas, com as artistas mulheres em grande destaque no novo percurso.

Autor
  • Agência Lusa

O Museu Calouste Gulbenkian — Coleção Moderna, em Lisboa, exibe, a partir desta quinta feira, 130 novas obras na exposição permanente, incluindo peças inéditas, com as artistas mulheres em grande destaque no novo percurso, anunciou a diretora, Penelope Curtis.

Durante uma visita guiada para os jornalistas, a diretora revelou a nova proposta de percurso expositivo, com algumas obras exibidas pela primeira vez e aquisições recentes, nomeadamente a peça “Círculo de Luz”, de Pedro Cabrita Reis, criada em 2018.

Penelope Curtis explicou que foi intencional “dar uma representação mais forte às mulheres artistas” presentes no acervo da coleção moderna da fundação.

“O novo percurso é assumidamente feminista, mas não é ainda igualitário, porque continuamos a contar com mais homens artistas do que mulheres”, observou.

Na nova configuração, o visitante poderá descobrir, entre as 130 novas obras introduzidas, cerca de uma dezena de aquisições recentes.

“Queremos que o público saiba que o Museu Gulbenkian não é sempre o mesmo, e vai mudando a sua exposição. Há muitas obras em reserva, a coleção tem peças interessantes, e tem muito para contar da História da Arte portuguesa do século XX”, disse a historiadora e curadora.

Na mudança, entraram mais de duas dezenas de trabalhos de Amadeo de Souza-Cardoso e Almada Negreiros, aquisições recentes de obras em papel de Jorge Barradas ou Ângela Ferreira, assim como uma instalação em vídeo de Grada Kilomba.

É essa instalação, intitulada “Illusions Vol.I Narcissus and Echo” (2017), com que o público se irá deparar assim que entrar no espaço do museu dedicado à Coleção Moderna.

Na nave do edifício encontra-se também a obra dedicada ao vento “mistral” de Leonor Antunes, artista que representa atualmente Portugal na Bienal de Arte de Veneza.

Um conjunto de desenhos de Maria Antónia Siza é mostrado ao público, pela primeira vez em Lisboa, resultado de uma doação à Fundação Gulbenkian do arquiteto Álvaro Siza Vieira.

Nesta remodelação, é visível um percurso temático que incide sobre artistas mulheres representadas na Coleção Moderna, com organização cronológica, de 1916 a 2018, com obras de 47 artistas, dando a ver pinturas, desenhos, têxteis, fotografias, vídeos, esculturas e instalações.

“Fazer um percurso feminista é uma maneira de atrair o público”, comentou Penelope Curtis, referindo que também há muitas obras que representam mulheres.

São apresentados trabalhos, em grande parte desconhecidos do público, de Mily Possoz ou Ofélia Marques dos anos de 1920 e 1930, passando por peças emblemáticas de Paula Rego, Helena Almeida ou Ana Vieira, mas também trabalhos de jovens artistas recentemente adquiridos, nomeadamente de Ana Cardoso, Luísa Jacinto ou Sara Bichão.

Entre as peças é possível ver ainda, da série “Diamantes” de Ângela Ferreira, a peça que representa o Cullinan Diamond, o de maior dimensão descoberto até hoje.

Ao longo do percurso há outras alterações, em várias áreas, atravessando várias épocas, desde os anos 1920, até à atualidade, nomeadamente com obras que vão desde Almada Negreiros, Malangatana, Eduardo Viana, Jorge Vieira, e Isabel Laginhas.

Entre 08 e 28 de junho, a Gulbenkian vai ainda organizar, na Sala Polivalente da Coleção Moderna, o ciclo “Cinema Elemental: Da Imagem Alquímica ao Ecofeminismo”, que reunirá obras que revelam preocupações ecológicas com enfoque em cineastas mulheres.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)