Rádio Observador

Espanha

Espanha. Toureiro criticado por comentários polémicos ao caso da mulher que se suicidou depois de divulgado um vídeo sexual

311

"Os homens não são capazes de ter um vídeo assim e não o partilhar", comentou Fran Rivera na televisão. O toureiro disse ainda que as mulheres não devem partilhar conteúdos íntimos via telemóvel.

Fran Rivera é um conhecido e premiado toureiro espanhol

Europa Press via Getty Images

O conhecido toureiro Fran Rivera está a ser criticado em Espanha devido aos seus comentários sobre o caso da trabalhadora da Iveco que se suicidou depois da pressão que sofreu por um vídeo sexual seu ter sido partilhado entre os colegas da empresa de camiões num grupo de WhatsApp.

Não é másculo tornar um vídeo destes virais. Mas os homens, e eu digo isto porque sou homem, são incapazes de ter um vídeo destes e não o partilhar”, comentou o toureiro num programa televisivo espanhol.

O toureiro apelou ainda às mulheres, sejam adolescentes ou adultas, para que não partilhem conteúdos sexuais através do telemóvel. “Digo isto porque os homens não são capazes de ter um vídeo assim e não o partilhar.”

Veronica, de 32 anos, pôs fim à vida no sábado depois de as imagens circularem há mais de um mês entre os seus amigos e trabalhadores que se cruzavam com ela. O vídeo mostrava um ato sexual entre a mulher e o seu ex-namorado. Veronica suicidou-se depois de o atual marido ter visto o vídeo. O ex-namorado de Veronica entregou-se na quinta-feira à polícia espanhola, mas saiu no mesmo dia em liberdade sem acusações. 

Apesar de ter dito que a mulher não teve culpa, as declarações do toureiro causaram várias reações de políticos, atores e cidadãos espanhóis nas redes sociais, noticiam vários órgãos espanhóis e internacionais.

Irene Montero, porta-voz do partido Podemos, foi uma das que mais criticou o toureiro: “Teve de chegar o Fran Rivera para entendermos isto. Nós mulheres temos de ter cuidado na forma como nos comportamos, porque um homem não consegue ver “um vídeo destes” e não o partilhar. Isto não é estupidez inocente. É o tipo de lógica que culpa as mulheres com a intenção de esconder o sexismo”, escreveu.

A famosa atriz Sara Sálamo também não ficou indiferente aos comentários do toureiro de 45 anos: “Tenho muita sorte por a maioria dos homens com quem me dou não serem como tu, Fran Rivera”. 

A apresentadora de televisão Cristina Pedroche salientou o lado criminoso de partilhar conteúdos íntimos sem autorização. “Compartilhar um vídeo privado sem autorização é crime. Mais uma vez, estamos a culpar as mulheres. Não ponhamos o foco na mulher que faz o vídeo, mas sim no homem que o partilha e em quem não o denuncia. O problema não está em nós! (mulheres)”, disse.

Na sequência das críticas, o toureiro espanhol tweetou um excerto da entrevista onde fez as declarações e comentou que “ver a realidade é melhor do que ver manipulação”. Rivera chamou ainda “sacana” ao homem que partilhou o vídeo e disse que não passa de uma “amostra de homem”.

O problema é que a nossa liberdade termina quando começa a liberdade do outro. E há uma regra, que eu costumo dizer à minha filha mais velha: não se podem enviar vídeos deste tipo”, acrescenta o toureiro no excerto.

O político e feminista espanhol Pablo Padilla escreveu: “Fala por ti. Não fales por todos os homens. Aprendamos, eduquemo-nos, demonstremos que ser homem pode ser outra coisa”.

As críticas e comentários às declarações do toureiro estenderam-se a vários cidadãos e internautas. “Pode-se ser mais machista e asqueroso que isto?”, pergunta um utilizador do Twitter. “Só duas coisas: sou homem e nunca partilharia um vídeos destes. E as tuas palavras metem-me nojo”, comenta outro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)