Rádio Observador

Credit Suisse

Credit Suisse: Portugal está “no bom caminho”, mas investimento baixo é preocupante

Economistas do Credit Suisse avisam que o investimento ainda está abaixo dos níveis antes da crise, em proporção do PIB. Culpa do setor privado mas, também, do Governo de António Costa.

STEFFEN SCHMIDT/EPA

Portugal está “no bom caminho”, defendem os economistas do Credit Suisse numa nota de análise onde o banco de investimento antecipa que, apesar da desaceleração previsível, a economia deverá crescer mais do que a média europeia em 2019 — o que, a confirmar-se, irá acontecer pelo quarto ano consecutivo. O que mais preocupa o Credit Suisse, porém, é o baixo investimento — tanto no setor privado como no setor público, onde o corte no investimento foi uma das formas de compensar as reversões das políticas do governo anterior, lembra o banco.

Numa nota de análise a que o Observador teve acesso, difundida pelos clientes do banco suíço nesta segunda-feira, o Credit Suisse antecipa que, depois do crescimento de 2,1% em 2018, a perspetiva é que o Produto Interno Bruto (PIB) aumente 1,5% em 2019 — em 2020, nova desaceleração, para 1,2%.

Em 2019, o crescimento mais baixo acabará, no entanto, por se comparar favoravelmente com os 1,0% que o PIB na zona euro deve crescer neste ano. Contudo, a confirmarem-se as estimativas do banco suíço, Portugal voltará já em 2020 a crescer menos do que a média da zona euro (1,2% contra 1,4%), uma interrupção da trajetória de recuperação depois de, nos anos piores da crise, a economia se ter contraído em Portugal mais do que a média europeia.

A criação de emprego deve estabilizar e o consumo privado deve tornar-se mais moderado. A confiança do consumidor já começou a afastar-se dos máximos (…) e a taxa de poupança historicamente baixa deverá limitar o consumo privado daqui para a frente”.

No futuro próximo, o crescimento económico ainda deverá encontrar suporte nos aumentos de rendimentos, “relacionados com a decisão deste Governo de descongelar as progressões nas carreiras dos funcionários públicos”. Porém, o Credit Suisse sublinha que em 2018, “pelo segundo ano consecutivo, o emprego cresceu a um ritmo mais elevado do que o PIB, o que levou a mais uma ligeira perda de produtividade”.

Portugal continua a ser um dos países menos produtivos na zona euro. Melhorias nessa área serão cruciais para que possamos ver os salários e os padrões de vida a melhorar e para que o país consiga atrair talento para o país”.

Corte no investimento para compensar “reversões”

O Credit Suisse justifica o “elevado” crescimento de 2,1% em 2018 — o terceiro ano consecutivo de crescimento acima da média do euro — com dois fatores: “a recuperação cíclica após a recessão de 2011-2013 e, por outro lado, a decisão do governo, em 2011, de aplicar algumas das medidas de austeridade mais fortes que foram impostas pela UE/FMI”.

O banco recorda que, no final de 2015, “o novo primeiro-ministro, António Costa, formou um governo de maioria de esquerda e rapidamente passou a reverter algumas das medidas de austeridade mais duras, que tinham sido impostas pela UE/FMI”.

“O governo [de António Costa] aumentou os salários, as pensões e lançou medidas para estimular a economia”, lembra o Credit Suisse, acrescentando que, “para compensar o efeito dessas medidas nas finanças públicas, Costa baixou outras despesas e diminuiu o investimento”, nota a economista Anaïs Boussié.

Este é um dado que preocupa o Credit Suisse porque, com a desaceleração do consumo interno e, também, nas exportações, “Portugal precisa muito de ter mais investimento”. Nos cálculos do banco de investimento, a proporção do investimento (público e privado) no PIB é de apenas 18%, o que compara com 24% antes da crise.

O nível de investimento ainda não conseguiu recuperar dos níveis pré-crise”, lamenta o banco suíço, argumentando que uma das “vulnerabilidades” da economia é que continua a não ser “suficientemente diversificada para aguentar choques de maior dimensão” e seria necessário “um grande volume de investimentos para ajudar Portugal a superar os seus principais problemas estruturais” — designadamente “a proporção relativamente elevada de trabalhadores pouco qualificados”.

O Credit Suisse diz que é “encorajador” ver que no país estão a “ser criados novos empregos em setores mais produtivos” mas, ainda assim, continuar “as reformas estruturais que foram iniciadas, apostar nas qualificações e na reafetação de recursos no sentido de setores mais promissores (vocacionados para a exportação) serão fatores-chave para solucionar os desequilíbrios da economia”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)