Rádio Observador

Eleições Europeias

Eleições europeias não ficaram “totalmente imunes” à desinformação de “forças russas”

A Comissão Europeia aponta para "comportamentos coordenados" que disseminaram informações falsas ainda antes das eleições. Relatório mostra que Rússia tentou influenciar preferência dos eleitores.

Bruxelas explica que a desinformação foi transmitida através de contas falsas e até "robôs em linha"

PATRICK SEEGER/EPA

As medidas tomadas pela União Europeia contribuíram para “limitar o impacto das operações de desinformação, nomeadamente por parte de agentes externos” nas eleições europeias, que ainda assim não estiveram “totalmente imunes” à ação de “forças russas”, avaliou esta sexta-feira Bruxelas.

O relatório que compila os principais ensinamentos retirados das eleições europeias sustenta que, embora seja demasiado cedo para tirar conclusões definitivas sobre o nível e o impacto da desinformação no escrutínio, é “evidente que as medidas tomadas pela UE – juntamente com numerosos jornalistas, verificadores de factos, plataformas, autoridades nacionais, investigadores e sociedade civil – contribuíram para impedir ataques e expor tentativas de interferência nos processos democráticos”, nomeadamente de agentes russos.

Numa declaração conjunta, firmada, entre outros, pela chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, pela comissária da Justiça, Vera Jourová, e pelo Comissário responsável pela União da Segurança, Julian King, a Comissão Europeia estima que os seus esforços contribuíram para “limitar o impacto das operações de desinformação, nomeadamente por parte de agentes externos, mediante uma colaboração mais estreita entre a UE e os Estados-Membros”.

“Contudo, muito há ainda a fazer. Com efeito, as eleições europeias não estiverem totalmente imunes à desinformação”, ressalvam os comissários, dando conta que a Comissão constatou, “no período que antecedeu as eleições”, a existência de “comportamentos coordenados não autênticos que visavam espalhar matéria fraturante nas plataformas em linha, incluindo com recurso a robôs em linha e a contas falsas”.

No documento esta sexta-feira apresentado, e que servirá como um contributo para o debate a realizar na próxima semana pelos líderes dos 28 no Conselho Europeu de 20 e 21 de junho, o executivo comunitário detalha que “as provas recolhidas revelam uma atividade de desinformação contínua e sustentada por parte de fontes russas, com o objetivo de inibir a participação e influenciar as preferências dos eleitores”.

“Esta [atividade] abrangeu um vasto espetro de temas, oscilando entre os ataques à legitimidade democrática da União e a exploração de debates públicos fraturantes em temas como as migrações e a soberania. Tal confirma que as campanhas de desinformação com origem em agentes estatais e não estatais constituem uma ameaça híbrida à UE”, nota o relatório.

A Comissão Europeia detetou “uma tendência consistente do uso de desinformação por parte de agentes maliciosos para promover posições extremas e polarizadas nos debates a nível local” e que “alguns atores nacionais adotaram as táticas e as narrativas usadas pelas fontes russas para atacar a UE e os seus valores”, tendo exposto cerca de mil casos de tentativas de ingerência russa desde janeiro.

“Outros atores externos também estiveram envolvidos”, aponta o relatório, sem especificar. Nesse sentido, Bruxelas insiste que “ainda muito há a fazer para proteger as instituições e os processos democráticos da UE”.

“A desinformação é uma ameaça em rápida evolução. As táticas utilizadas por agentes internos e externos, em especial com ligações a fontes russas, estão a evoluir ao mesmo ritmo que as medidas adotadas pelos Estados e pelas plataformas em linha. São necessários recursos humanos adequados e uma investigação contínua para combater novas tendências e práticas, melhorar a deteção e exposição de campanhas de desinformação e aumentar a preparação a nível nacional e da UE”, reforça.

A comunicação conjunta apresentada expõe o modo como o Plano de Ação contra a Desinformação e o Pacote Eleições contribuíram para lutar contra a desinformação e preservar a integridade das eleições para o Parlamento Europeu.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)