Rádio Observador

Greve

Técnicos de diagnóstico desconvocam greve, mas mantêm pré-avisos para junho

Os técnicos de diagnóstico e terapêutica desconvocaram a greve agendada para esta sexta-feira, depois de a discussão do diploma sobre a regulamentação da carreira destes profissionais ter sido adiada.

Profissionais mantiveram os pré-avisos para as restantes sextas-feiras deste mês.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os técnicos de diagnóstico e terapêutica desconvocaram a greve agendada para esta sexta-feira, mas mantiveram os pré-avisos para as restantes sextas-feiras deste mês, garantindo que a paralisação avançará quando as carreiras destes profissionais forem votadas no parlamento.

Em comunicado, o Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (STSS) esclarece que os pré-avisos emitidos para as sextas-feiras de junho tinham como objetivo “permitir aos profissionais poderem deslocar-se à Assembleia da República no dia da votação final, quando ela for agendada”, desconvocando “os dias que não sirvam esse objetivo”.

“São 9.000 profissionais que aguardam que o parlamento aprove alterações e resolva o problema das desigualdades na carreira”, refere o STSS, sublinhando que, apesar do adiamento da votação da Assembleia da República [na semana passada], os técnicos superiores de diagnóstico “acreditam na resolução de uma reivindicação que já é antiga”.

“O que alguns partidos estão dispostos a discutir são os problemas de discriminação e desigualdade criadas na carreira destes profissionais, em que 97% ficam colocados na categoria de base, apagando todos os anos de serviço de muitos destes profissionais, ficando 75% na primeira posição remuneratória, tenham 1, 10, 15, 20 ou mais anos de exercício”, explica o sindicato, garantindo que, no dia da votação, os técnicos de diagnóstico estarão na AR.

No passado dia 5 de junho, foi adiada a discussão, em sede de comissão parlamentar, do diploma sobre a regulamentação da carreira destes profissionais.

O STSS diz que os técnicos de diagnóstico são “discriminados pelo Estado em relação a todos os trabalhadores da Administração Pública com o mesmo grau de exigência habilitacional e profissional, especialmente em relação a outros profissionais de saúde”.

Alerta que a revisão das carreiras destes profissionais nada tem a ver com a das restantes carreiras da administração pública, explicando que, no caso dos técnicos de diagnóstico, a carreira “não teve qualquer processo efetivo de revisão em 20 anos”.

“Pelo menos há 10 anos e até à presente data, os TSDT foram prejudicados em centenas de milhões de euros. Valor este que o Estado poupou, mantendo e perpetuando desigualdades salariais dos TSDT, em relação a todos os trabalhadores da Administração Pública com o mesmo grau de exigência habilitacional e profissional, especialmente face a outros profissionais de saúde” afirma o presidente do STSS, Luís Dupont, citado no comunicado.

O sindicato diz ainda que o mais importante desta discussão “não pode ser o impacto orçamental, mas o reconhecimento por parte do Estado, e dos responsáveis políticos, que se está a promover a implementação de alterações que pretendem única e exclusivamente minorar as desigualdades que existem há décadas”.

“Aquilo que sempre reivindicamos ao longo dos anos, e de sucessivos Governos, foi uma carreira digna, justa e com igualdade de tratamento que se impõe para os TSDT, que lhes é devida há mais de 20 anos”, conclui a estrutura sindical.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)