Chama-se “Bolt for Business” e é a forma como a Bolt (antiga Taxify) quer cativar as empresas e os funcionários a utilizarem a aplicação. “Em vez de os colaboradores pedirem e entregarem faturas individuais de viagens feitas através da plataforma, as empresas clientes da Bolt for Business terão agora todas as informações sobre as viagens corporativas da sua equipa armazenadas num único local”, explica em comunicado Rando Rannus, diretor-geral da Bolt for Business.

Ao apostar neste formato, a Bolt permite que as empresas contratem a plataforma para os funcionários poderem diretamente utilizar os serviços de mobilidade pela app sendo a viagem cobrada à empresa. No final do mês, todas as viagens são cobradas à empresa que contratou a Bolt. O montante é pago através de cartão bancário corporativo ou transferência bancária.

À semelhança da concorrência, a Bolt criou um site para Business onde é possível definir que funcionários podem fazer viagens de negócios através da plataforma e quando podem fazê-las. Além disso, é possível estipular um orçamento global para viagem. Este serviço permite saber quanto é que cada colaborador gastou em cada viagem e o percurso que fizeram.

A plataforma digital de transporte individual de passageiros em veículos descaracterizados (TVDE) concorre em Portugal com a Kapten, Bolt, Cabify, IzzyMove e MyTaxi. Destes serviços, apenas a Uber, a Cabify e a MyTaxi têm serviços digitais a pensar nas empresas (as rádio táxis também têm parecerias para empresas, mas funcionam numa fórmula de recibos em papel).

A Bolt está presente em mais de 30 países na Europa e África, tendo começado esta segunda-feira as operações em Londres. Desde 2013, quando foi fundada (ainda com o nome Taxify), já ultrapassou os 25 milhões de utilizadores. A plataforma começou a operar em Portugal em janeiro de 2018 e, atualmente, está disponível em Lisboa, Porto, Braga e Algarve.