Rádio Observador

Privatizações

Acordada indemnização de 21 milhões de euros para acabar com privatização da água em Mafra

919

A autarquia paga 21 milhões de euros à empresa Be Water para pôr fim à privatização. A concessão durava há 25 anos e estava acordada até 2025. Os serviços serão entregues à SMAS.

O município de Mafra e a Be Water acordaram em tribunal uma indemnização de 21 milhões de euros a pagar pela autarquia à empresa pelo fim antecipado da concessão de água e saneamento, foi esta quarta-feira anunciado.

O acordo vai ser assinado na sexta-feira, afirmou o presidente da autarquia, Hélder Sousa Silva (PSD), adiantando que “a câmara chegou a acordo com a Be Water, extinguindo todos os litígios que existiam”.

A Assembleia Municipal de Mafra aprovou esta quarta-feira por maioria o acordo, que permite às partes fechar o processo que corria no Tribunal Central Administrativo Sul.

A indemnização de 21 milhões de euros engloba 14 milhões de euros referentes a ativos da empresa, que inclui redes e restantes infraestruturas, e sete milhões de euros para reequilíbrio económico-financeiro que a concessionária pedia por haver consumos inferiores ao contratualizado.

A assembleia municipal autorizou também a câmara a rever o orçamento e a contrair, a 20 anos, um empréstimo de 22 milhões de euros, que inclui o valor da indemnização, acrescido de parte do valor do IVA, que não conta para a capacidade de endividamento, nem vai refletir-se em aumentos tarifários.

Hélder Sousa Silva disse que existem condições para, “até final de agosto”, o serviço de água e saneamento ser entregue pela empresa aos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Mafra, depois de o município obter visto do Tribunal de Contas ao empréstimo.

Uma centena de trabalhadores é transferida da Be Water para os SMAS.

Durante a intervenção do público, o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, António Manuel Rodrigues, alertou que “vai ser impossível os trabalhadores manterem os seus direitos”, mas o presidente da câmara respondeu que “vão ficar ao mesmo nível”.

Mafra, no distrito de Lisboa, foi o primeiro município do país a concessionar a água a privados, em 1994, para resolver os problemas de qualidade e falta de água no concelho.

Passados 25 anos, Mafra vai acabar com a concessão, que vigoraria até 2025 e entregar os serviços aos SMAS, que foram criados em 2018.

O município justifica a decisão por a Be Water pedir, desde 2015, uma compensação entre os 12 a 19 milhões de euros, por haver consumos inferiores ao contratualizado, ou aumentos de 30% em média nas tarifas.

O município recusou e optou por acabar com a concessão, para a qual obteve parecer favorável da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos.

A câmara estimou a indemnização a pagar à Be Water entre 16 e 22 milhões de euros, mas a concessionária discordou e pediu antes 54 milhões de euros, tendo avançado para tribunal.

Apesar de pagar a indemnização, com a reversão da concessão, o município já reduziu as tarifas em 5% em 2018 e manteve-as para 2019, assumindo um défice anual de 1,2 milhões de euros para não aumentar a tarifa junto dos consumidores.

Com o fim da concessão, o município estima ainda investir um milhão de euros por ano na rede de água e igual valor na de saneamento. A manter-se a concessão até 2025, o município teria de entregar 36 milhões de euros à concessionária para o seu reequilíbrio económico-financeiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)