Rádio Observador

PCP

Jerónimo de Sousa quer PS a clarificar posição sobre fim de taxas moderadoras

169

O secretário-geral do PCP reiterou a necessidade do PS "clarificar" a sua posição sobre a isenção das taxas moderadoras na saúde, afirmando que o PCP não irá "permitir" um "retrocesso no processo".

Jerónimo de Sousa falava durante um almoço da CDU, na freguesia de Carreço, em Viana do Castelo

ARMÉNIO BELO/LUSA

O secretário-geral do PCP reiterou este domingo, em Viana do Castelo, a necessidade do PS “clarificar” a sua posição sobre a isenção das taxas moderadoras na saúde, afirmando que o PCP não irá “permitir” um “retrocesso no processo”.

“A questão central que se coloca neste momento é saber da definição do que se pretende em relação ao direito à saúde. Sabemos que está agendado um encontro do PS com o PSD. O encontro não tem mal em si. Mas, naturalmente, para fugir a esta questão central que nós colocamos”, referiu Jerónimo de Sousa durante um almoço da CDU, na freguesia de Carreço, naquele concelho do Alto Minho.

O fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser faseado, não entrando em vigor já em 2020 como previa um projeto de lei do BE aprovado no dia 14 no parlamento, noticiou, no sábado, o semanário Expresso.

De acordo com o jornal, que cita fonte governamental, o executivo deu indicações ao PS para alterar, na especialidade, o diploma do Bloco de Esquerda que previa a eliminação já em 2020 do pagamento das taxas moderadoras nos centros de saúde e em consultas no Serviço Nacional de Saúde.

O líder comunista que, este domingo, participou na apresentação do candidato do partido às eleições legislativas pelo círculo eleitoral de Viana do Castelo, Jorge Machado, disse que alertou o pagamento faseado das taxas moderadoras foi votado pelo PS.

Jerónimo de Sousa reforçou que “os grandes grupos económicos não querem largar um bife de milhões e milhões de euros”.

“Eles têm a consciência que utentes há sempre e que dinheiro tem de haver. Por isso jogam nesta área protegida apesar de a Constituição dizer o que diz, afirmar o que afirma, exigir o que exige”, referiu.

O secretário-geral do PSP disse que “o PS se tivesse força para isso e estivesse sozinho, seria capaz de voltar para trás, de parar um processo de avanços tão importantes na vida dos portugueses”.

Avançar é preciso, andar para trás não. Não podemos permitir que o PS, de mãos livres, possa fazer este processo de retrocesso de que este processo da saúde demonstra”, afirmou.

Para Jerónimo de Sousa a “clarificação” da posição do PS “é importante” face “às movimentações do CDS-PP para criar um sistema a duas velocidades”.

“Um direito à saúde para os pobrezinhos e a saúde para os que mais têm e mais podem através dos seguros de saúde. O Estado tem a responsabilidade particular que é garantir, como diz a nossa Constituição, que o direito à saúde é um direito universal, geral e gratuito e não um negócio para os grandes ganharem fortunas à custa da saúde dos portugueses”, reforçou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)