Rádio Observador

Seleção Nacional

Há 15 anos, Ricardo voou sem luvas e marcou um penálti que ficou na história da Seleção Nacional

15.344

24 de junho de 2004. Há precisamente 15 anos, na Luz, Ricardo voou sem luvas para defender o penálti de Vassell e depois marcou outro para pôr Portugal nas meias-finais do Campeonato da Europa.

O então guarda-redes do Sporting foi o herói dos quartos de final do Euro 2004

Não são inéditas as histórias de guarda-redes que correm até à área contrária no último minuto de um jogo e acabam por marcar golos decisivos. Também são novas as histórias de guarda-redes que defendem o penálti que coloca as respetivas equipas numa final depois de um jogo em que estiveram a perder. E também não são surpreendentes as histórias de guarda-redes que trocam as balizas pela marca de penálti para bater um dos remates certeiros que acaba por valer a vitória. Nada disto é inédito, novo ou surpreendente. Mas há precisamente 15 anos, a 24 de junho de 2004, Ricardo fez algo que dificilmente terá paralelo no mundo do futebol.

Depois de terminar no primeiro lugar do grupo A do Campeonato da Europa 2004, Portugal encontrava Inglaterra nos quartos de final, que por sua vez tinha ficado no segundo lugar do Grupo B, com menos um ponto do que a seleção francesa. O conjunto português, orientado por Luiz Felipe Scolari, defrontava o inglês, às ordens de Sven-Göran Eriksson e com uma equipa que incluía Gerrard, Lampard, Scholes e Beckham. Na última semana do mês de junho, no Estádio da Luz, Michael Owen aproveitou um mau alívio de Costinha para colocar Inglaterra em vantagem logo aos três minutos: seria um jogo totalmente em formato remontada para Portugal.

Scolari levou a Seleção Nacional a uma final pela primeira vez na história da equipa portuguesa

O empate chegou já nos últimos dez minutos do tempo regulamentar, aos 83′, quando Simão Sabrosa cruzou na esquerda para um cabeceamento certeiro de Hélder Postiga. O jogo foi para prolongamento e Rui Costa correu, correu e correu até chegar à entrada da grande área de David James, de onde atirou para o 2-1. A Luz explodiu mas gelou apenas cinco minutos depois, quando Lampard apareceu praticamente sozinho no seguimento de um pontapé de canto para voltar a empatar o resultado. Ao fim de 120 minutos de jogo, continuava tudo empatado entre Portugal e Inglaterra.

David Beckham foi o primeiro a bater uma grande penalidade e atirou para a bancada, ficando a olhar para trás e para o pedaço de relva que ficou levantando na marca de penálti. Deco marcou, Owen também, Simão não falhou e Lampard também cumpriu. Seguiu-se Rui Costa, que à semelhança de Beckham também atirou por cima e também ficou a olhar para o relvado. Depois de Cristiano Ronaldo, John Terry, Maniche, Hargreaves, Hélder Postiga (com direito a Panenka) e Ashley Cole acertarem, era a vez de Vassell. No regresso à baliza para tentar defender a sétima grande penalidade dos ingleses, Ricardo tirou as luvas e preparou-se com as mãos descobertas. O então avançado do Aston Villa atirou para a esquerda do então guarda-redes do Sporting e Ricardo defendeu.

Nesta altura, bastava a Portugal marcar o penálti seguinte para carimbar o apuramento para as meias-finais do Europeu. Era preciso escolher alguém que assumisse toda a responsabilidade mas houve quem tomasse esse passo e carregasse o peso às costas. Depois de defender sem luvas, Ricardo bateu David James, marcou a grande penalidade decisiva e colocou a Seleção Nacional na fase seguinte. O resto é história: Portugal eliminou a Holanda com um golo de Ronaldo e outro de Maniche e perdeu na final com a Grécia graças a um golo solitário de Charisteas. A memória é dura de recordar pela desilusão na final mas o voo sem luvas de Ricardo vai ficar sempre nas páginas mais bonitas da seleção portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)