Rádio Observador

Marinha

Cadete da Escola Naval morre durante prova de corta-mato. Marinha afasta excessos: “É uma prova que fazem regularmente”

585

Jovem de 22 anos morreu depois de desmaiar durante uma prova de corta mato, realizada na Base Naval de Lisboa. A Marinha garante que esta era uma prova normal, mas abriu processo de averiguações.

Cadete frequentava o 4º ano da Escola Naval, no curso de Engenharia Naval – Ramo de Armas e Eletrónica

EDUARDO COSTA/LUSA

Um cadete Escola Naval, de 22 anos, morreu esta manhã de terça-feira depois de desmaiar durante uma prova de corta mato realizada na Base Naval de Lisboa, em Almada, no âmbito de uma aula de educação física, avançou a agência Lusa. O porta-voz da Marinha, o comandante Pereira da Fonseca, afastou excessos e garantiu ao Observador que esta era uma prova normal e feita regularmente e que a vítima tinha todos os exames em dia.

O exercício iniciou-se pelas 8h30 — “Estavam 18º graus“, apontou a mesma fonte — e consistia numa prova de corta-mato de seis quilómetros que “tem uma parte de pinhal e tem partes que passam ao pé das edificações”. O percurso estava a ser vigiado por 10 militares dispostos ao longo dos quilómetros, com uma viatura de apoio.

Este cadete, quando chegou ao quilómetro quinto, desfaleceu. Isto aconteceu às 8h55. Os outros cadetes e os monitores que estavam a acompanhar a prova e um oficial que praticava desporto naquele local prestaram apoio imediato”, disse o porta-voz ao Observador.

O jovem foi de imediato transportado para o Centro de Medicina Naval através da viatura de apoio — nesta altura, ainda respirava. “Estava lá uma equipa médica que lhe prestou suporte avançado de vida. Isto aconteceu às 8h55 e às 9h00 ele estava a receber suporte médico de vida. Chegou o INEM. Continuaram com as manobras de reanimação”, continuou. O cadete foi posteriormente transportado para o hospital de S. José, em Lisboa, e apesar de todas as tentativas, foi declarado o óbito às 10h40.

A Marinha vai avançar com um processo de averiguações à morte do jovem. “Já foi efetuada a participação da ocorrência e a Marinha vai nomear ainda esta terça-feira um oficial averiguante para conduzir o processo de averiguações”, disse à Lusa o comandante Pereira da Fonseca.

Cadete era atleta e tinha feito exames recentemente

Questionado sobre se esta é uma prova normal e regular, o porta-voz da Marinha garantiu que se trata de “uma prova que eles fazem regularmente e que avalia essa condição física”. O comandante explicou ainda que, naquele momento, a prova estava a ser realizada por 22 cadetes — entre eles, duas raparigas. A vítima era um atleta e tinha os exames em dia, explicou o comandante:

Estes cadetes estiveram agora em Cabo Verde e fizeram os exames médicos todos: preparação sanitária, eletrocardiograma.”

O cadete, do 4º ano da Escola Naval, frequentava o curso de Engenharia Naval – Ramo de Armas e Eletrónica. Os familiares foram contactados de imediato e estão a receber apoio psicológico. “[Os familiares] estão no hospital ainda. Estamos a dar-lhe apoio psicológico, com dois psicólogos, tanto aos familiares como aos cadetes — todo o apoio que podemos dar”, disse o comandante, acrescentando: “Estão transtornados com a situação. O ambiente que se vive na Escola Naval é um ambiente de camaradagem, com uma ligação muito estreita entre eles e como é óbvio isto é muito complicado”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)